Depois de trocar selinho, um casal de mulheres teve o pedido cancelado em um bar de Catanduva (SP), no domingo (5). Após, o casal registrou um boletim de ocorrência.

A repositora Raíssa Furlan, de 25 anos, e a barbeira Beatriz Péulopi de Oliveira Ribeiro, de 26 anos, chegaram ao estabelecimento por volta das 2h. Segundo Raíssa, a companheira foi falar com o filho do dono do bar, quando perguntou se podiam pedir alguma coisa para beber.

"Nós pedimos dois drinques para o garçom, sentamos em uma mesa e demos um selinho. O dono do bar estava em uma distância considerável, mas olhou e fez um sinal do tipo: aqui, não. É um bar que costumamos frequentar. Nós tínhamos uma certa amizade com o dono, porque a Beatriz já tocou no bar”, completa Raíssa.

Como já frequentava o estabelecimento, pensaram, no momento em que viram o sinal, que o dono do bar estava fazendo algum tipo de brincadeira com a situação.

“A Beatriz veio para me dar um beijo no rosto. O dono virou, disse que mandaria cancelar o pedido que tínhamos feito e perguntou se duvidávamos. Ela achou que era uma brincadeira e disse que duvidava. Ele se levantou, foi ao garçom, no meio de todo mundo, e disse para cancelar nosso pedido”, comenta Raíssa.

De acordo com ela, ficaram sem entender e perguntou para o garçom se o pedido realmente havia sido cancelado.

“O garçom, meio envergonhado, respondeu que nosso pedido estava quase pronto, mas que, realmente, tinha sido cancelado pelo dono do bar. Nós pegamos e fomos embora”, afirma Raíssa.

Após o ocorrido, Raissa indignada com a situação usou as redes sociais para fazer uma publicação sobre o assunto e foi dormir.

“Acordamos e tinham muitas mensagens nos nossos celulares. As pessoas viram a publicação e resolveram organizar um protesto na frente do bar. O protesto foi feito na noite de domingo. O dono do bar já tinha ligado e pedido desculpas para a Beatriz, mas, para nós, não adiantou. Parece que foi uma desculpa um pouco forçada para não acontecer o protesto”, diz Raíssa.

"Ele falou que nunca tratou a gente mal, mas que, infelizmente, não sabe o que aconteceu, e que agiu sem pensar. É difícil conseguir assimilar o que sentimos. A gente fica pensando em como iremos reagir, mas é um choque muito grande quando acontece. É uma dor que pode parecer pequena para as pessoas, mas realmente dói muito. Só quem passa na pele sabe”, afirma Raíssa.

O dono do bar enviou uma nota ao g1 informando que tinha sido apenas um mal-entendido.

“Se fui mal interpretado, já fiz até meu pedido de desculpas a quem quer que tenha se sentido ofendido. Quem conhece nosso estabelecimento e nossa família sabe que sempre primamos pelo bom atendimento e respeito a todos.”

A Polícia Civil de Catanduva vai ouvir os envolvidos para decidir se abre inquérito.

*Com informações do g1.