Lucia usou embalagens plásticas, caixas de papel, pedaços de papelão e outros materiais para criar objetos - Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Lucia usou embalagens plásticas, caixas de papel, pedaços de papelão e outros materiais para criar objetos - Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
São tantas ideias e vontades que fica impossível guardá-las apenas na cabeça. Por isso, a aposentada Lucia Utpadel Klehm, de 65 anos, abusa da habilidade com trabalhos manuais para dar vida aos objetos que são frutos de sua imaginação. Enfeites relacionados a datas comemorativas, quadros pintados a mão, potes com diversas pedras e outros materiais que encontra, além de colares e cortinas feitas com distintos materiais. Tudo ganhou vida através da criatividade da aposentada, que ocupa a mente e o corpo criando pequenos enfeites que alegram seus dias e de seus familiares.
Próximo do Natal, a aposentada usou buchas vegetais para confeccionar papais noéis e foi destaque no jornal O Correio do Povo. Agora, a artesã aproveitou embalagens plásticas, caixas de papel, pedaços de papelão, entre outros materiais que iriam para o lixo, para fazer os enfeites de Páscoa.
A bucha vegetal também não ficou de fora da lista e foi a matéria prima principal usada para confeccionar um simpático coelho, que completa os enfeites da casa. “Olho para as embalagens e já penso em várias coisas que posso fazer com elas. É uma maneira de me manter ativa e não ficar estressada”, conta. Aos 65 anos, Lucia tem o marido, Otvin Klehm, e a filha, Nadia, como maiores apoiadores. Eles se alegram ao ver o brilho no olhar da aposentada ao mostrar cada um dos enfeites.
Mais do que uma aula de educação ambiental, já que ela reaproveita os materiais, Lúcia dá uma aula de história e volta no tempo com saudades da infãncia. “Lembro que minha avó. Os ovos de Páscoa não eram assim como os de hoje em dia, de chocolate. Fazíamos o ninho de palha e, no dia da Páscoa, recebíamos ovos cozidos”, lembra. Por isso, a aposentada faz questão de manter cascas de ovos de verdade na cestinha do coelho. Segundo ela, os ovos utilizados têm seis anos e nunca foram quebrados. “Deixei eles por um ano na geladeira e agora os guardo junto com todos os enfeites. Estão inteirinhos”, diz.
Para a aposentada, a confecção dos enfeites e pinturas faz com que se sinta uma criança novamente. “Sempre tive facilidade para criar as coisas. Continuar criando objetos e pintando, assim como fiz na infância, é como se eu ainda estivesse na época de criança”, brinca. Apesar de a Páscoa ainda nem ter chegado e os enfeites estarem por todos os cantos da casa, Lucia projeta outras novidades para breve e uma coisa é certa: com materiais recicláveis, tesoura, cola, tintas e muita imaginação, a aposentada consegue fazer muita arte e aproveitar a vida.