Divisão de Agricultura dará continuidade ao trabalho de combate ao caramujo africano

Divisão de Agricultura dará continuidade ao trabalho de combate ao caramujo africano Divisão de Agricultura dará continuidade ao trabalho de combate ao caramujo africano

Cotidiano

Por: OCP News Jaraguá do Sul

quinta-feira, 01:31 - 01/02/2018

OCP News Jaraguá do Sul
A divisão de Agricultura e Meio Ambiente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Corupá vai retomar a partir de fevereiro o trabalho de orientação e combate ao caramujo africano no município. O molusco está se proliferando em plantações de banana e hortas em diversas localidades do município. O caramujo africano, além de praga agrícola, também pode transmitir doenças do sistema nervoso, dores de cabeça, perfuração intestinal e hemorragia abdominal. Entre as ações que devem ser colocadas em prática pela divisão de Agricultura e Meio Ambiente de Corupá está a elaboração e distribuição de uma cartilha com informações sobre o caramujo africano e dicas de como combater essa praga. Segundo o engenheiro agrônomo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Corupá, Lucas Trevisan, outra medida de combate ao caramujo africano no município será a aquisição e distribuição pela Secretaria de uma isca que ao ser ingerida pelo molusco causa desidratação o levando a morte, assim como contamina os demais. Além da distribuição dessa isca, a divisão de Agricultura e Meio Ambiente também dará orientação técnica sobre o descarte correto e eficiente dos caramujos que forem encontrados mortos. Como surgiu essa praga O caramujo africano (Achatina fulica) é uma espécie de molusco terrestre tropical, originário do leste e nordeste da África. Foi mundialmente disseminado por meio da gastronomia, pela região da Tailândia, China, Austrália, Japão e recentemente pelo continente americano. Essa espécie é considerada uma das cem piores espécies invasoras do mundo causando sérios danos ambientais. No Brasil foi introduzida a partir 1988 como uma forma barata de substituir o escargot. Mas que não deu certo, por transmitir doenças aos seres humanos. Os indivíduos adultos de caramujo africano podem atingir uma massa de mais de 200g e chegar a 15 cm de comprimento de concha. É um caramujo de concha cônica marrom ou mosqueada. São hermafroditas, podendo botar de 50 a 400 ovos a cada postura e com reprodução até 4 vezes em um ano. É resistente ao frio e à seca e geralmente passa o dia escondido, saindo para se alimentar e reproduzir à noite ou logo após as chuvas. A invasão do caramujo africano no Brasil ocorre em áreas urbanas, rurais e naturais, tornando-se impossível erradicá-lo. Porém, o controle local continua possível. No campo, pode ocorrer perdas na produtividade da colheita devido ao ataque destes herbívoros, sem contar o ataque a outras plantas que fornecem o enriquecimento da camada superficial do solo. O caramujo africano também é responsável pela transmissão de parasitas que causam doenças de difícil diagnóstico em humanos e que podem até levar à morte. *Com informações da Prefeitura de Corupá
×