Nesta segunda-feira (9), detentos da Penitenciária Industrial de Joinville começam a produzir fraldas para a rede municipal de saúde da cidade. No convênio entre a Secretaria de Saúde de Joinville e a Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa, o município é responsável pela máquina e pelo pagamento dos insumos e da mão de obra.

Inicialmente, serão produzidas 5 mil fraldas por mês. Segundo o secretário de saúde de Joinville, Jean Rodrigues da Silva, esse número é suficiente para suprir a demanda do Hospital Municipal São José.

Nos próximos meses, é possível que a produção aumente, para atender também a demanda de 1.014 pacientes atendidos pela rede municipal que utilizam as fraldas. A média de consumo mensal é de 181 fraldas por paciente, segundo dados da Secretaria de Saúde.

"Vamos testar, realizar um controle de qualidade. Se tudo der certo, a gente avança e aumenta o número de fraldas produzidas, para atender outras demandas do município, como a distribuição para usuários do SUS em situação de vulnerabilidade", afirmou o secretário Jean Rodrigues da Silva.

Com a iniciativa, a expectativa da Secretaria de Saúde é de reduzir em 19% o gasto com fraldas no município. Até agosto, Joinville gastou R$1,8 milhão com a compra de fraldas.

Como funcionará o trabalho

Os trabalhos serão realizados dentro da Penitenciária Industrial de Joinville. Ao todo, nove detentos trabalharão para produzir as fraldas, sendo que um deles será responsável por coordenar o trabalho dos demais.

Eles receberão um salário mínimo pelo trabalho. Já o detento que coordenará os demais, receberá um salário mínimo e meio.

Um funcionário da Secretaria de Saúde atuará na penitenciária para supervisionar o trabalho, de acordo com o secretário Jean Rodrigues da Silva.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger