Guaramirim começou 2022 com recorde de focos de dengue. Somente no mês de janeiro foram encontrados 19 focos do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença.

O número deixou em alerta a Secretaria de Saúde do município, que faz um apelo para a população colaborar na eliminação dos focos do mosquito.

Em todo o ano de 2021 foram registrados 118 focos.

Até o momento não há pessoas contaminadas com a doença.

A Gerente da Vigilância em Saúde de Guaramirim, Ana Maria Rodrigues, destaca que é preciso ficar atento aos locais com maior possibilidade de acúmulo de água.

“Os vasos de flores que as pessoas deixam nos cemitérios são hoje nosso ponto de maior preocupação, além de todas as outras medidas que já sabemos que precisam ser tomadas para não deixar acumular água parada”, orienta.

A equipe da vigilância conta com dois agentes de endemias e um coordenador. Eles são responsáveis por instalar e monitorar as 157 armadilhas e os 57 pontos estratégicos existentes na cidade para controle da disseminação do mosquito.

Além disso, o município também instalou 58 Estações Dispersoras de Larvicidas, uma tecnologia desenvolvida pela Fiocruz para auxiliar no combate à dengue.

Veja como colaborar:

  • Galões, tonéis, poços, latões e tambores devem ser totalmente vedados, inclusive aqueles usados para água de consumo;
  • Pneus devem ser guardados em locais cobertos;
  • Garrafas vazias devem ser armazenadas sempre com a boca para baixo;
  • Ralos devem ser mantidos limpos e com aplicação de tela;
  • Calhas devem estar limpas, sem folhas e outras sujeiras;
  • Pratos de vasos de planta devem ser eliminados ou preenchidos com areia;
  • Caixas d’água devem ser vedadas totalmente;
  • Vasos sanitários de uso eventual devem ser tampados e verificados semanalmente;
  • Lonas usadas para cobrir objetos ou entulho devem ser bem esticadas evitando a formação de poças d’água;
  • Piscinas e fontes devem ser limpas e tratadas com auxílio de produtos químicos específicos.