Os estudantes com deficiências da Escola Básica Municipal de Florianópolis Tapera, conhecida como Escola do Futuro, estão com mais recursos para executarem as atividades em domicílio. As cinco crianças receberam tablets por parte da direção da unidade de ensino. Felipe, Pedro e Gabriela possuem deficiência intelectual e Victor e Iago têm transtorno do espectro autista.

Adquiridos pela Secretaria de Educação, os tablets são da sala informatizada da escola. “Nós liberamos para os estudantes, fizemos um termo de responsabilidade que cada família assinou”, frisa a diretora Melize Daniel.

Todos esses estudantes têm acesso à internet. Mas, por exemplo, esclarece a professora de educação especial, Maria Edilene, há situações em que só um membro da família tem telefone celular, como o pai.

“Ao ir trabalhar, esse pai leva o aparelho”, diz. Em outra família, há três irmãos e existe apenas o telefone da mãe, relata a professora.

 

Professora levou aos alunos

Familiares de três crianças estiveram na escola para buscar o equipamento. Nos outros dois casos, a professora Maria Edilene, que teve o apoio da secretária Angelita Naibert, levou os tablets até a casa dos estudantes. “Os pais estavam impossibilitados de se deslocarem à Escola do Futuro”.

A cada 15 dias são organizados kits com jogos pedagógicos e atividades adaptadas. Os familiares vêm pegar esses materiais e levam o material concreto para apoio de matemática. Há aluno que não precisa de material adaptado, mas necessita de apoio do material concreto, também chamado de material manipulável.

Os jogos são da escola e os responsáveis pelas crianças os devolvem para que sejam repassados para outros estudantes. É feito um rodízio para que todas tenham acesso a eles. A escola preza pela higienização dos jogos.

 

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp