Criciúma tem sofrido com a alta no número de casos de Covid-19 nos últimos dias. Os números ultrapassam os registrados no mês de agosto, considerado até então a pior fase desde o início da pandemia. No início desta semana mais de 400 atendimentos de casos suspeitos foram realizados no Pronto Atendimento do hospital Unimed de Criciúma.

Segundo o presidente da Unidade, médico Leandro Avany Nunes, em média 50% dos pacientes que procuram a Unimed tem testado positivo. "Naquela considerada a primeira onda, nos meses de julho e agosto nós tínhamos uma média de procura de 100 pacientes por dia e destes, 20% positivavam. Agora, só ontem, nós tivemos mais de 400 atendimentos no Pronto Atendimento (PA), e desses, 50% que nos procuram estão dando positivo", explicou o médico.

"Com esses dados a gente sabe que de 5 a 12 pacientes serão internados por dia, então até o início da semana deveremos chegar a 100 pacientes internados", completou Nunes.

Número de internados cresce diariamente

"Para termos uma referência podemos fazer uma comparação", inicia o presidente da Unimed. "Lá no início de março, quando começou o problema o maior número de pacientes internados em Criciúma era de 25, sendo oito em UTI, e aquilo já era preocupante. Depois, no final de julho e início de agosto, que foi considerado um pico, chegamos a 45 internados e 18 em UTI. Agora, são cerca de 60 internados e 16 estão em UTI", pontuou o médico.

Piora é fruto do relaxamento

Para o médico, o novo pico foi fruto do relaxamento das medidas de proteção por parte dos cidadãos. "Foi nos dado o direto de ir e vir, trabalhar, frequentar os lugares, mas algumas pessoas usaram esse direito para realizar aglomerações e festas. Isso ocorreu nos últimos feriados, festas, calor e claro, também será um reflexo da eleição que deve chegar na próxima semana", explicou o doutor.

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp