Em reunião na tarde de ontem, 16, com o Secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, o prefeito eleito de Corupá, João Gottardi (PP), começou as negociações para municipalizar a escola básica São José. O atual prefeito Luiz Carlos Tamanini (PMDB) também participou do encontro em Florianópolis, junto com lideranças políticas da região. O Município levou ao governo duas propostas. Na primeira, pede que o Estado mantenha a estrutura pelo próximo ano, diante da falta de orçamento municipal para assumir a demanda de 500 alunos imediatamente. “O Município de Corupá se dispõem, no período de março a agosto de 2017, a realizar cadastramento dos alunos desta unidade escolar, a fim de promover a transição desses estudantes para a rede municipal de ensino”, aponta o documento. A segunda possibilidade é que a escola seja assumida pela Prefeitura, desde que os recursos federais para a manutenção da estrutura sejam depositados diretamente na conta do município e que os 13 professores sejam cedidos. “A escola São José não vai fechar, nós como futuros administradores do município de Corupá vamos fazer um esforço para que não feche e vamos assumir essa responsabilidade”, afirmou Gottardi. No fim do mês de outubro, a Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Jaraguá do Sul anunciou o fechamento da unidade no próximo ano, junto com encerramento de turmas em outras quatro escolas da região. Com uma despesa anual girando em torno de R$ 1,7 milhão com a São José, conforme registrado em 2015, o governo projetava economia de R$ 262,2 mil com medida. A escola foi fundada há 87 anos e a comunidade escolar se manifestou contra a medida. De acordo com o futuro prefeito, a intenção é que a escola Tereza Ramos, para onde os alunos seriam transferidos, seja transformada em polo de educação integral em 2018, como vai acontecer a partir do ano que vem com a escola Heleodoro Borges, em Jaraguá do Sul. Outra possibilidade é usar a estrutura para oferecer cursos técnicos.