O transporte coletivo segue suspenso por tempo indeterminado em Santa Catarina.

Com a liberação do comércio há quase um mês, muitos trabalhadores estão com dificuldade de chegar ao local de trabalho sem os ônibus à disposição.

Uma reunião na manhã desta terça-feira discutiu a retomada do serviço.

Uma comissão com representantes da Câmara Municipal de Criciúma e setores do transporte buscará um encontro na Capital para viabilizar a liberação.

“A Câmara organizou esse encontro hoje quando decidimos buscar uma reunião com o Comitê de Crise do Governo do Estado e com a Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa”, pontuou o vereador Salésio Lima, presidente da Comissão de Obras e Transporte, que organizou o encontro.

Segundo o parlamentar, a comissão deverá buscar ainda representares de Câmaras de outros municípios para fortalecer o pedido.

Reunião na manhã desta terça-feira, no Terminal Central, discutiu a retomada do serviço / Fotos: Divulgação

A Associação Criciumense de Transporte Urbano (ACTU) garante que tem condições de promover a segurança dos passageiros, caso haja a retomada.

“Tivemos hoje mais uma tentativa de mostrar ao Governo a necessidade do transporte coletivo em Criciúma e em todo o Estado. Quando há uma greve, por exemplo, os juízes determinam a obrigação de manter o transporte coletivo por ser de primeira necessidade. E agora? Porque isso não é mais considerado?”, questionou o presidente da Associação, Everton Trento.

Além do emprego de motoristas e funcionários do ramo, a falta do transporte tem afetado diretamente o movimento no comércio de Criciúma.

Segundo a presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), Andrea Salvalaggio, a volta da circulação dos ônibus é importante para muitos comerciantes.

“O comércio tem sentido demais a falta do transporte. Existem muitas coisas que estamos tentando entender, como a paralisação desse serviço essencial. Nós, do comércio, nos adaptamos para funcionar e eu acredito que o setor do transporte também tenha capacidade de se adaptar”, pontuou.

A Comissão buscará o retorno gradual do transporte com, ao menos, 50% da frota disponível de cada empresa.

Participaram da reunião representantes da Câmara Municipal de Criciúma, ACIC, CDL, Diretoria de Trânsito, Sindicato dos Transportes e ACTU.