No fim da tarde desta segunda-feira (14), um carro não parou na faixa de pedestres e atropelou uma mulher na avenida Marechal Deodoro da Fonseca, no Centro de Jaraguá do Sul.

Pneus carecas, chuva e desatenção, o acidente poderia ser um mero acaso, mas segundo comerciantes da localidade o que eles mais enxergam são motoristas colocando em risco a vida das pessoas que atravessam a via.

A reclamação da população é sobre o perigo que a faixa de pedestre localizada na frente da Drogaria Catarinense, que fica próxima a dois semáforos, causa para quem transita na região.

Quando escutou o barulho do atropelamento, a vendedora Doriane Foggiato Godinho, de 46 anos, rapidamente correu para socorrer a mulher. De acordo com ela, o acidente precisa servir para as autoridades olharem com mais atenção para o local.

"É terrível, os carros não param e nem olham para a faixa de pedestre", ressalta.

A vendedora diz que se alguém ficar uma semana na loja, vai se surpreender com o número de vezes que os carros quase atropelam as pessoas na área sinalizada. "A cada dia escutamos umas cinco freadas bruscas", fala.

Todos devem estar atentos

Ana Flavia Stolf, 21 anos, conta que não atravessa mais nessa faixa de pedestre e vai até o semáforo para conseguir chegar ao outro lado sem sustos. Mas, segundo ela, a culpa não fica limitada aos motoristas, pois os pedestres também têm sua parcela.

"Uma mulher atravessou olhando para o celular, o carro bateu na mão dela e o celular voou. Em uma rua de três vias, o pedestre tem que ter atenção redobrada", destaca.

A comerciante Fabiane Forlin, de 37 anos, relata que os motoristas saem do primeiro sinaleiro já olhando em direção ao próximo semáforo e esquecem da faixa de pedestre entre eles.

Faixa elevada é apontada como solução

As três acreditam na mesma solução: colocar uma faixa elevada, obrigando os motoristas a diminuírem a velocidade, ou retirando a faixa de pedestre, assim as pessoas atravessariam em um dos semáforos.

"Se não puder retirar, uma faixa elevada seria ideal para fazer os motoristas andarem mais devagar", expõe Doriane.

A pedestre Rosicler de Andrade, 55 anos, comenta que o motorista causador do acidente desta segunda-feira quase nem saiu do carro, apavorado e com medo de ser linchado pelas pessoas que cercavam a rua.

"Nessas horas a população precisa ajudar a vítima e não atacar o motorista, que poderia ser qualquer um", conta.

Diretoria de Trânsito não foi informada

O diretor municipal de Trânsito e Transportes, Írio Riegel, diz que até o momento não houve denúncia sobre a faixa de pedestre localizada na Marechal Deodoro da Fonseca.

"Estamos sabendo só agora dessa reclamação. Vamos verificar o que podemos fazer", destaca.

Riegel disse que se os moradores estiverem insatisfeitos com algo, podem ligar na ouvidoria, no telefone 0800-642-0156, ou pela internet, com link em banner à esquerda da página inicial do portal da prefeitura jaraguaense.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?