Colégio Evangélico implanta sistema de energia solar

DCIM101MEDIADJI_0007.JPG DCIM101MEDIADJI_0007.JPG

Cotidiano

Por: Ana Paula Gonçalves

quarta-feira, 09:46 - 21/02/2018

Ana Paula Gonçalves
O Colégio Evangélico inicia o ano letivo com uma novidade que representa um avanço muito importante em termos de sustentabilidade. O educandário é a segunda instituição de ensino de Jaraguá do Sul a instalar um sistema fotovoltaico para captar energia solar e revertê-la em energia elétrica. O sistema também está presente no prédio da Scar, Igreja Matriz São Sebastião, Lar das Flores, IFSC (unidade no bairro Rau) e outros estabelecimentos. Além da redução de custos, com a conta de luz mais barata, a escola celebra o exemplo positivo dado aos alunos e familiares, mas que se reflete na comunidade. Conforme o diretor da instituição de ensino, Leopoldo Fenner, o sistema com 237 placas solares foi instalado em novembro de 2017 pela empresa Top Sun Energia Solar com equipamentos fornecidos pela WEG. O investimento foi de R$ 300 mil, que, de acordo com a Top Sun, deverá ser recuperado em menos de cinco anos. “Nós fizemos esse importante investimento pensando, enquanto educandário, em passar um exemplo positivo para nossos alunos, mas também, para as famílias. Agora, estamos gerando uma economia limpa, que não polui, que não agride a natureza e é sustentável”, ressalta Fenner. O diretor ressalta que a intenção é que o sistema sirva como referencial para turmas do ensino médio, pois, dentro do conteúdo, alunos e professores irão trabalhar as energias alternativas. “O objetivo é tonar a escola autossuficiente em termos de energia. Junto com esse projeto, vamos enfatizar a questão da necessidade de valorização do nosso meio ambiente e também de sermos cooperadores contra o desperdício”, aponta. Por meio de um aplicativo, a escola recebe informações em tempo real do quanto de energia está sendo gerada, quanto de gás carbônico a escola deixa de colocar no meio ambiente e outros dados diários, mensais e anuais. Na tarde de ontem (20), até às 15h, o sistema havia produzido 163,69Kwh, mesmo com a maior parte do dia nublado. Com isso, a estrutura deixou de colocar 115kg de CO2 (gás carbônico) no meio ambiente. “Ele (o sistema) gerando pelo menos 300kw/dia, alcança o total de energia média que a escola consome. Mesmo com chuva, ele gera energia. No período de férias, por exemplo, a energia acumulada fica de crédito, que vai ser jogada na rede e que em outro momento, havendo necessidade, retorna para a escola”, destaca o diretor. Economia e  apoio tecnológico
Diretor Leopoldo Fenner mostra a alunos informações em tempo real | Foto Eduardo Montecino/OCP
O proprietário da Top Sun, Robert Fischer, comenta que a garantia de performance do equipamento é de 25 anos. Segundo ele, o tempo de retorno do investimento geralmente é de menos de cinco anos. A conta da escola, que em média era de R$ 13 mil/mês podendo alcançar até R$ 18 mil/mês, já reduziu para aproximadamente R$ 2 mil/mês. “Pelo aplicativo, que pode ser acessado pelo celular ou computador, é possível, também, ter um prognóstico de quanto de energia o sistema deve gerar e quanto está gerando. Essa é uma solução (o sistema) que antes não se imaginava e que hoje é oferecida de maneira financeiramente viável”, enfatiza Fischer. Para o diretor Leopoldo Fenner, embora o investimento tenha sido significativo, o benefício gerado é muito maior. “Poder ver, mostrar e trabalhar a consciência ecológica é extremamente importante. É muito fácil falar de coisas que estão distantes de nós. Ah, precisamos preservar o meio ambiente! Mas, como se faz isso no dia a dia?”, questiona. A escola pretende trabalhar ainda mais a consciência ambiental juntamente com outros projetos, como o da alimentação saudável, para prevenir a obesidade, além dos esportivos e culturais. “Estamos agregando a isso tudo uma coisa palpável, que para eles também parece um pouco mágico, porque as placas no telhado, através da incidência solar geram a energia que está iluminando as salas de aula. Queremos que isso possa ser significativo para os nossos alunos”, conclui. *Matéria atualizada no dia 21 de fevereiro de 2018. - Quer receber as notícias do OCP Online no WhatsApp? Basta clicar aqui
×