Comércio garante não ter observado diminuição no volume de vendas depois da deflagração da Operação Carne Fraca.
carne
Supermercados garantem que procura pela carne e seus derivados não sofreu alterações com a Operação Carne Fraca | Foto Divulgação
  A deflagração da Operação Carne Fraca, pela Polícia Federal, na sexta-feira passada, foi o assunto mais lido e comentado em todos os veículos de comunicação do País no fim de semana, além de dominar os debates nas redes sociais. Memes com espetos com papelões imitando churrasco indicavam que o último fim de semana de verão na mesa do brasileiro teria um cardápio diferenciado. Porém, na prática, tudo indica que as expressões de nojo e indignação não se refletiram na mesa. Pelo menos os grandes supermercados de Jaraguá do Sul garantem não ter observado o reflexo imediato em suas vendas de carne e embutidos no  fim de semana depois das denúncias da Polícia Federal, de que grandes redes de alimentos estariam mascarando carnes vencidas e usando aditivos químicos além do permitido em seus produtos, entre outras supostas irregularidades. - Leia mais: Diálogo entre sócios confirma irregularidades na produção em frigorífico. - Leandro Todt, responsável pelo setor financeiro do Supermercado Frontal, não chegou a fazer levantamento sobre as vendas dos produtos no fim de semana, mas diz que os clientes estão bem mais cautelosos em relação aos produtos que estão comprando, e todos questionam se são de determinadas marcas. “Repercutiu muito, os clientes questionavam a marca, mas nossa empresa tem frigorífico e abate próprio e garante a qualidade da carne que vende”, observa. Segundo ele, alguns clientes também procuraram o mercado para devolver produtos de marcas que tinham o selo Peccin, já que a unidade de Jaraguá do Sul do grupo paranaense está entre uma das investigadas e deve passar por auditoria. Nos demais estabelecimentos, não foram feitos levantamentos oficiais, mas o quadro é de tranquilidade No Hipermercado Angeloni, o gerente Diones da Rosa Alves diz que não houve repercussão. A mesma situação foi observada na Cooper. Na unidade da rua Reinoldo Rau, a supervisora Adriane de Lima diz que no fim de semana foi registrado apenas um caso em que um cliente em dúvida sobre a procedêncica da carne optou por levar frango. - Leia mais: Coreia do Sul barra temporariamente importação de produtos de frango da BRF