A Celesc Geração anunciou investimentos de R$ 3,7 milhões na modernização da Usina Hidrelétrica do Bracinho, em Schroeder, além de um planejamento de segurança e ação em casos de emergência. As informações foram apresentadas ontem, durante reunião promovida pelo Ministério Público. A comunicação entre a empresa, Defesa Civil, Colegiado do Meio Ambiente da Amvali (Associação dos Municípios do Vale do Itapocu) e Prefeitura de Schroeder, passou a ser estreitada na tarde de ontem, após encontro comandado pelo promotor de Defesa do Meio Ambiente, Alexandre Schmitt dos Santos. O promotor esclareceu que a instauração do inquérito civil para apurar as condições da usina ocorreu “especialmente em razão da ausência de um canal eficiente de comunicação”. O gerente do Departamento de Operação e Manutenção das Usinas da Celesc Geração, Flávio Spolaor, lembrou que em 2012 foi contratada empresa para identificar o grau de risco e pelas inspeções foi constatado que as barragens estão em boas condições. Em 2013, outra empresa foi contratada para avaliar as 12 usinas e as 23 barragens do Estado. “Queremos ampliar o canal de comunicação, que visa a segurança e a divulgação da segurança para a população”, disse. Spolaor ainda ressalta que os dois estudos técnicos, o Plano de Segurança de Barragens e o Plano de Ação de Emergência, serão entregues antes do prazo da Aneel, fixado em dezembro de 2017. O documento foi concluído em maio e está em processo de revisão, com previsão de entrega ao município de Schroeder e à Defesa Civil em até 90 dias. A estatal se comprometeu em autorizar visitas técnicas e indicou os investimentos na usina, classificada como PCH (Pequena centram hidrelétrica), com geração de 15 Mwatts. A Calesc ainda salienta que, com a renovação da concessão dos serviços pelos próximos 30 anos assinada em 2015, foi aberta em julho uma licitação para a automação da usina do Bracinho e das três barragens, com interligação por fibra ótica. “A interligação será tanto com o sistema da Celesc, como da usina com as três barragens”, disse Spolaor. Após a assinatura da ordem de serviço, a instalação tem prazo de seis meses. O prefeito de Schroeder, Osvaldo Jurck, se disse satisfeito com o resultado do encontro. “Estamos muito contentes com o conhecimento desses dois planos, do investimento e da segurança que a usina se encontra hoje. Vamos manter contatos e esclarecer a população que não existe abertura de comportas, porque a água é captada até o limite”. O prefeito disse ainda que prefere conhecer primeiro o teor dos documentos para depois fazer a vistoria na usina com as instituições envolvidas. O coordenador regional da Defesa Civil do Estado, Osvaldo Gonçalves, enfatiza que o encontro foi esclarecedor. “Não havia informação de como a usina estava. Agora temos resposta da Celesc e vamos trabalhar essas informações, para esclarecer a diferença entre usina e barragens, para não criar pânico na população”, assinala.