Aproximadamente 2.000 trabalhadores da mineração do sul do estado iniciaram 2020 com um imbróglio em relação ao ajuste salarial. Em Assembleia, realizada no último dia 08, por unanimidade ficou definido que se as empresas não melhorarem a proposta, no próximo dia 24 a categoria optará por greve.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Mineiros de Criciúma, Djonatan Elias, a negociação está distante de ser aceita pela categoria. “A classe Patronal está oferecendo 5.0% sendo que só o INPC resulta em 4.48 %”, ressaltou o presidente. “Hoje nós estamos reivindicando 8.22%, para um setor que fatura mais de 450 milhões ao ano na Região Carbonífera”, acrescentou.

“Nós estamos abertos para sentar e negociar. Uma greve não é favorável para os dois lados, mas estamos solicitando coisas simples, como a estabilidade pré-aposentadoria, que não traz prejuízo nenhum para as empresas, o mineiro já tinha esse direito antes da Reforma da Previdência”, enfatizou Elias.

A próxima Assembleia está marcada para o dia 22 de fevereiro, sábado. Neste dia serão analisadas as possíveis propostas enviadas pelas empresas. Caso nenhuma seja aceita, será realizado um sorteio para saber qual empresa iniciará no dia 24 de fevereiro, a partir da zero hora.