O processo movido pelo vereador Arlindo Rincos (PSD) contra a Comissão Processante aberta pela Câmara para investigar denúncia de suposta irregularidade cometida por ele na cobrança de parte do salário de um comissionado não tem previsão para decisão judicial, embora já esteja concluso para despacho desde novembro. O trabalho da comissão foi interrompido por mandado de segurança quando já estava na fase de elaboração de relatório, que apontaria pelo arquivamento ou cassação. Os apontamentos ainda seriam submetidos ao plenário.