Por conta da estiagem e diante da diminuição do nível da água, a Casan começou a reduzir a captação na Lagoa do Peri, principal manancial dos bairros do Sul e Leste da Ilha, em Florianópolis

Cerca de 50% do abastecimento destas localidades está sendo feito com auxílio de nove poços artesianos do Aquífero do Campeche, colocados em operação justamente para preservar a Lagoa, que está meio metro abaixo de seu nível habitual.

Outras ações estão sendo realizadas para preservar o manancial e, ao mesmo tempo, manter o abastecimento aos moradores:

  • Avaliação diária do nível da Lagoa e dados pluviométricos.
  • Monitoramento e manutenção do nível estável da barragem de captação.
  • Aumento na frequência de análises da quantidade de cloreto dos poços piezométricos (pontos de observação) para medir o nível freático e afastar qualquer hipótese de salinização.
  • Reforço do abastecimento aos bairros Carianos e parte do Rio Tavares com água do Sistema Integrado da Grande Florianópolis (SIF), oriunda do Continente

Casan faz avaliação diária do nível da Lagoa | Foto Casan/Divulgação

 

Deve entrar em operação a partir de junho o novo sistema de flotação na Estação de Tratamento para ampliar os controles de qualidade da água justamente para reduzir eventuais efeitos das frequentes estiagens. O investimento da Companhia nessa obra é de R$ 7,5 milhões.

Uso consciente da água

A Casan lembra, porém, que é fundamental a colaboração dos moradores do Sul e Leste da Ilha, reduzindo o uso de água tratada.

  • Não usar mangueiras para lavar casas, pátios, calçadas e carros é uma das melhores contribuições.
  • Reduzir o tempo sob o chuveiro ou somente acionar a máquina de lavar quando o equipamento estiver cheio de roupas.

A água tratada, mais do que nunca, deve ser reservada para a higienização.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp