Câncer e doenças do aparelho circulatório, com 201 e 200 casos, respectivamente, foram as principais causas de morte em Jaraguá do Sul no ano passado.

De acordo com os números, as duas representam 51,41% das causas dos 780 óbitos de pessoas residentes no município em 2018.

Os dados foram divulgados no documento denominado Saúde em Números – Edição 2019 (Ano Base 2018), e estão disponíveis para consulta no site da Prefeitura de Jaraguá do Sul.

Em comparação com 2017, houve aumento no percentual de óbitos nesses dois casos: de 8,6% por câncer e 11% por doenças circulatórias.

O documento aponta ainda que 67% das mortes por câncer envolveram pessoas com idade acima de 60 anos, enquanto as doenças do aparelho circulatório causaram mais óbitos em pacientes na faixa etária a partir de 70 anos, num percentual de 62,5%.

Histórico

Desde 2009, o câncer e as doenças do aparelho circulatório se revezam no topo das causas mais frequentes de mortes no município, informa Luís Fernando Medeiros, do setor de Planejamento da Secretaria Municipal de Saúde.

Foto Divulgação/PMJS

Entre os casos de câncer, os mais frequentes foram de pulmão e de mama, com 31 e 17 óbitos, respectivamente.

Já o AVC (Acidente Vascular Cerebral), com 61 registros, é a principal causa de mortes por doenças do aparelho circulatório.

Medeiros acrescenta que, além dessas duas, outras três doenças destacam-se na lista de causas de morte em Jaraguá do Sul: doenças do aparelho respiratório (91 óbitos), causas externas (64) e aparelho digestivo (41), ainda segundo dados de 2018.

Em relação às mortes por doenças do aparelho digestivo, Medeiros aponta que sobressaíram-se as relacionadas ao fígado, com 18 casos, enquanto pneumonia – registrando 36 casos – foi o principal motivo dos óbitos por doenças respiratórias.

Já acidentes de trânsito (27) e suicídio (16) aparecem entre as principais mortes por causas externas.

Embora sejam números preocupantes, Luís Fernando Medeiros salienta que Jaraguá do Sul apresenta em todas essas causas uma taxa de mortalidade – que é medida por 100 mil habitantes – abaixo dos índices de Santa Catarina.

Veja os dados sobre as causas de morte em Jaraguá do Sul e a taxa de mortalidade

Taxas de mortalidade por 100 mil habitantes
Causa morte Ano Jaraguá do Sul Santa Catarina
Câncer 2018 115,4 129,3
2017 108,2 124,0
Doenças aparelho circulatório 2018 114,8 159,0
2017 105,4 156,7
Doenças aparelho respiratório 2018 52,2 69,9
2017 61,5 70,0
Causas externas 2018 36,7 61,2
2017 44,5 66,3
Doenças aparelho digestivo 2018 23,5 28,0
2017 20,5 27,0

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde de Jaraguá do Sul

Hábitos saudáveis previnem contra doenças crônicas

Especialista em Avaliação em Saúde, pela Escola Nacional de Saúde Pública, Luís Fernando Medeiros orienta que atividade física e alimentação saudável são fundamentais à prevenção da maioria das doenças, principalmente das crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares, cânceres e respiratórias, que estão entre as cinco causas mais frequentes de mortalidade em Jaraguá do Sul.

Ele alerta que essas três doenças, mais o diabetes mellitus, possuem quatro fatores de risco em comum e possíveis de serem modificados: tabagismo, uso indevido de álcool, atividade física insuficiente e alimentação não saudável.

“Ser fisicamente ativo é uma das ações mais importantes que pessoas de todas as idades podem fazer para melhorar a saúde”, recomenda Medeiros.

Orienta-se realizar, pelo menos, de 150 a 300 minutos por semana de atividade física de intensidade moderada, como caminhadas.

Medeiros reforça que comer alimentos saudáveis, diminuir o sal na dieta, limitar o consumo de bebida alcoólica, não fumar, gerenciar o estresse, praticar o relaxamento ou a respiração lenta e profunda também são medidas importantes indicadas para prevenir essas doenças.

 

*Com informações da Prefeitura de Jaraguá do Sul

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger