A Prefeitura de Florianópolis e a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) promoveram nova força-tarefa de fiscalização contra ligações irregulares de esgoto no Campeche. Realizada entre segunda e quarta-feira desta semana, a Blitz Se Liga Na Rede vistoriou 195 caixas de inspeção e identificou 17 imóveis irregulares, o que resultou em 9 lacres na saída da tubulação. A ação contou com fiscais da Vigilância em Saúde, Floram, equipes técnicas do Programa Floripa Se Liga Na Rede e Casan.

Somente nesta quarta-feira, dia 13, foram drenados pela Casan 30 mil litros de dejetos da rede | Foto PMF/Divulgação

Segundo o coordenador da força-tarefa, engenheiro sanitarista e ambiental Igor Puff Floriano, o objetivo era identificar os imóveis que causavam o transbordamento da rede na região conhecida como Areias do Campeche.

"É um problema recorrente desta localidade, em que os proprietários não tratam seu esgoto no terreno e lançam na rede, que está inoperante. Isso causa um acúmulo de efluentes que chega ao ponto de extravasar para a via, levando risco à saúde pública", disse.

Somente nesta quarta-feira, dia 13, foram drenados pela Casan 30 mil litros de dejetos da rede.

A ação contou com fiscais da Vigilância em Saúde, Floram, equipes técnicas do Programa Floripa Se Liga Na Rede e Casan | Foto PMF/Divugação

Esgoto na rede, a céu aberto, água da chuva na rede e esgoto na drenagem foram as principais ocorrências identificadas pelas equipes. Os responsáveis pelos imóveis com inadequações foram intimados pela Vigilância em Saúde e autuados pela Casan, por "intervenções nas instalações dos sistemas de esgoto que possam afetar a eficiência dos serviços".

Entre as ruas fiscalizadas estavam as ruas Jardim dos Eucaliptos, Francisco Vieira, Aroeira do Campo, Joaquim Sinfrônio, além da Travessa Caraguatá.

Objetivo era identificar os imóveis que causavam o transbordamento da rede na região conhecida como Areias do Campeche | Foto PMF/Divulgação

Estação de tratamento estará em operação em outubro deste ano

Com investimento de R$ 38,4 milhões, a estação de tratamento do Sul da Ilha, localizada no bairro Rio Tavares, vai atender 25 mil habitantes, com 40 quilômetros de rede. Até a conclusão da obra, os moradores devem dispor de um sistema individual de tratamento de esgoto, as chamadas fossas sépticas.

Balanço da Blitz Se Liga Na Rede no Sul da Ilha

Ocorrências

  • Imóveis autuados: 16
  • Lacres efetuados: 9 lacres

Tipos de irregularidades encontradas

  • Efluente na rede inoperante: 6
  • Esgoto a céu aberto: 5
  • Pluvial na rede de esgoto: 3
  • Esgoto na rede pluvial: 2
  • Obstrução de caixa de inspeção: 1

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?