A fabricante de brinquedo Mattel criou uma linha alusiva ao trabalho de mulheres na pesquisa sobre o novo coronavírus. A biomédica brasileira, Jaqueline Góes de Jesus, que esteve na equipe que sequenciou o DNA do coronavírus, foi homenageada pela própria empresa e agora tem a sua versão própria da boneca Barbie.

Além da biomédica brasileira, outras cinco cientistas compõem a coleção. Entre elas a britânica Sarah Gilbert, que liderou a criação a vacina de Oxford-AstraZeneca.

Coleção Mattel

A Mattel divulgou a coleção especial com cinco mulheres cientistas, que tiveram papel de destaque na pandemia do Covid-19.

Além de Jaqueline, também viraram bonecas: a professora Sarah Gilbert, cocriadora da vacina AstraZeneca; Amy O’Sullivan, enfermeira do pronto-socorro que tratou o primeiro paciente com Covid-19 em Nova York; Audrey Cruz, médica de primeira linha em Las Vegas; Chika Stacy Oriuwa, psiquiatra canadense que “lutou contra o racismo sistêmico na área de saúde”, de acordo com a empresa, e Kirby White, médica australiana que desenvolveu uma bata cirúrgica para trabalhadores da linha de frente.

Foto: Divulgação

Destaque na biomedicina

Jaqueline é baiana. Filha de uma enfermeira e de um engenheiro civil, atualmente ela é pesquisadora bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A equipe da qual faz parte sequenciou o genoma do vírus SARS-CoV-2 apenas 48 horas após a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Brasil. A média mundial para esse sequenciamento era de 15 dias, na época.

Em fevereiro desse ano, as amostras para a pesquisa foram colhidas do primeiro paciente brasileiro infectado pelo coronavírus. O estudo de sequenciamento genético possibilitou diferenciar o vírus que infectou o paciente brasileiro do genoma identificado em Wuhan, o epicentro da epidemia na China.