Ação inédita é fruto da parceria entre a pré-incubadora, o CEDEP - Centro de Educação Popular e o Sebrae | Foto Divulgação
Ação inédita é fruto da parceria entre a pré-incubadora, o CEDEP - Centro de Educação Popular e o Sebrae | Foto Divulgação

O Monte Cristo, bairro localizado na região continental de Florianópolis, vai ganhar uma unidade da pré-incubadora Cocreation Lab. A ação inédita é fruto da parceria entre a pré-incubadora, o CEDEP - Centro de Educação Popular e o Sebrae.

As inscrições estão abertas até o dia 23 de outubro e o início das atividades está previsto para 15 de novembro. Durante o período de inscrições, serão realizados eventos na comunidade para explicar o que é o projeto e incentivar as pessoas a participarem.

O Monte Cristo já esteve no topo da lista das localidades com mais mortes violentas da capital catarinense (2017) e também é um dos bairros mais pobres. A iniciativa pretende estimular os micro-empreendedores e fomentar o saber local para auxiliar no desenvolvimento da própria comunidade.

Diferentes realidades

Os dados colocam luz às diferentes realidades dentro da Capital. Florianópolis se destaca no país com um IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) de 0,847, ocupando o terceiro lugar entre municípios brasileiros segundo o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). Em 2018, de acordo com dados do IBGE, o salário médio mensal de trabalhadores e trabalhadoras formais era de 4.8 salários mínimos. Enquanto isso, estima-se que o IDHM do Monte Cristo seja 0,763 e a renda de 77% dos domicílios do bairro é de até 2 salários mínimos.

Em relação à escolaridade da população, uma porção pequena (6,27%) tem o ensino superior completo – uma proporção baixa em comparação com o município, onde 31,47% da população tem ensino superior completo, segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil (2013).

Adaptação à realidade

Pensando nessas particularidades da comunidade, o Cocreation Lab Monte Cristo terá o desafio de adaptar a metodologia TXM Business para a realidade desse público, que apesar de muitas vezes apostar no empreendedorismo por necessidade, ainda tem muito potencial para explorar a inovação como possibilidade para melhorar de vida.

“Essas dificuldades fortalecem, muitas vezes, a criatividade. Isso vai contribuir muito para essa nova versão da metodologia. Para nós, é a realização completa da atividade de extensão que propusemos há cinco anos e que baixou os muros da universidade para essa comunidade. Estamos muito felizes e esperamos fazer a diferença e melhorar a vida das pessoas, assim como já estamos fazendo para outros públicos e lugares em que estamos”, comenta o professor da UFSC e fundador do Cocreation Lab Luiz Salomão Ribas Gomez.

“É construir o empreendedorismo a partir de uma relação com a comunidade, e ao mesmo tempo construir possibilidades de emancipação do território pelo caminho do trabalho. E o trabalho se constrói coletivamente, quando se produz, se vende e se consome ali dentro. Isso cria um caminho de sustentabilidade para o território. É importante para a consciência da coletividade. O projeto vai ao encontro das ações já realizadas pelo CEDEP, que tem que respirar o território ao mesmo tempo em que o território tem que respirar o trabalho do CEDEP. É esse o papel do Centro ali dentro: ser uma referência para potencializar tudo que a comunidade tem. É uma relação de parceria e de crescimento contínuo”, comenta o Padre Vilson Groh, responsável pela criação do CEDEP em 1987. Atualmente, o Centro faz parte da rede do Instituto Pe. Vilson Groh.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp