Ilca Meier, 67 anos, e a neta Valentine, de 9, ensinaram os gansos de estimação da família a passear pelo Parque Malwee, em Jaraguá do Sul, norte de Santa Catarina.

A cena tem chamado a atenção dos visitantes: uma senhora sendo seguida por uma fila perfeita dessas belas aves, que ficam atentas a cada comando em alemão.

“Komm” indica que é hora de seguir, “schnell” e algumas batidas na perna faz o ritmo da caminhada acelerar, e o braço esticado é suficiente para fazer eles pararem.

Dona Ilca é vizinha do Parque e conta que a história de passear com os gansos começou em setembro do ano passado, com a neta Valentine. Primeiro, a menina começou a levar um ganso na caixa até o pasto, onde a família tem roça.

Valentine conta que os bichinhos, que nasceram na propriedade, gostavam de seguir ela. “Ganso aprende fácil, como esses daqui. Eu fiquei duas semanas ensinando eles e estão aí”, conta.

Juntas, avó e neta começaram a andar pela rua com esses 5 gansos, irmãos de uma mesma ninhada.

Foto: NatáliaTrentini/OCP News

A brincadeira, comenta a aposentada, só foi possível por “não tem muita coisa pra gente fazer” - se referindo às restrições da pandemia de Covid-19 que a fizeram passar mais tempo em casa.

“A gente ia sempre na rua, aí o guarda disse: porque vocês não entram no parque? Eu disse: pode? E daí nós começamos a entrar. Primeiro sempre um pedaço, aí íamos sempre um pouco mais longe”.

Agora, o passeio virou um ritual esperado pelas próprias aves. Ilca conta que cedo pela manhã os gansos Romeu, Sofia, Marcos e Lina - um deles ganhou muito peso e abandonou o exercício diário - estão no portão.

“Agora eles estão desistindo um pouco por causa do acasalamento. Mas antes a gente nem estava prontas e eles estavam chamando”, conta.

O passeio só não acontece aos sábados e domingos por conta da grande movimentação no parque - que assusta as aves.

Leva em média 45 minutos para a comitiva dar a volta completa na lagoa principal, com uma parada para comer um pão e tomar uma água.

Foto: NatáliaTrentini/OCP News

“O jeito que eles andam atrás de nós, eles andam bem certinho. E quando estamos lá trás eu digo: vamos parar um pouco, mas digo em alemão. Eles olham e param”, conta Ilca.

Além de alegrar a Ilca e a Valentine, as caminhadas encantam quem vê a cena. Fotos e vídeos se espalham pela internet.

Ilca comenta que algumas pessoas têm medo, mas as aves ficam “de boa”, seguindo sempre o comando das duas. Outras perguntam se os animais são do parque, querendo também dar um passeio com eles.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp