Quando ainda faltavam três noites para a estreia da 11ª edição do Festival de Música de Santa Catarina, o Femusc, o violoncelista Hermann Schreiner, de 22 anos, colocava os pés em Jaraguá do Sul. Por ter conseguido passagens com bons preços e ter lugar onde ficar, o argentino acabou chegando na quarta-feira à noite e vive a ansiedade por sua participação no Femusc, que começa domingo (17) e segue até o dia 30. Ocupando o cargo de suplente de solista da Orquestra Estable de La Plata, o jovem musicista participa pelo segundo ano seguido do ProMusc, programa destinado aos músicos profissionais que trabalham em orquestras sinfônicas. “Participar do Femusc é algo incrível porque é uma possibilidade para fazer música, e música de qualidade, com pessoas de todos os lugares e ter aulas com ótimos professores”, diz. Rever os amigos de outros países e também os que fez em Jaraguá do Sul, além da oportunidade de fazer novos, também é algo que alegra o jovem. Nos dias que antecedem o festival, Schreiner aproveita para estudar. Além das aulas e ensaios, ele se prepara para nove concertos. “É um tempo de bastante estudo e dedicação, mas é uma experiência muito linda. Além de ser uma ferramenta de aprendizado, o Femusc leva concertos para lugares onde a música clássica não é comum e também para pessoas que talvez nunca tenham ouvido e isso é muito gratificante”, afirma. Para ele, a oportunidade de ver a reação imediata do público ao ouvirem as músicas em concertos sociais é uma das coisas mais incríveis. Como o festival começa apenas no domingo (17), a expectativa é que os participantes comecem a chegar entre hoje e amanhã para acompanhar a abertura. A agenda dos alunos começa a ficar intensa a partir de segunda-feira, quando se divide entre aulas, ensaios e apresentações.