Além de todas as diferenças culturais, estruturais e sociais, o paraense João Mário Mesquita, 19 anos, tem ainda outra coisa para se acostumar em sua nova casa: o horário. Morando há cerca de um ano em Jaraguá do Sul, o auxiliar de cobrança desconhecia as mudanças no relógio. Natural do Pará, ele era acostumado a viver no mesmo horário o ano todo e quando chegou aqui teve que se adaptar ao horário de verão e ao “normal”. À meia-noite do próximo domingo (21), ele e todos os moradores das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste do país deverão atrasar os relógios em uma hora, pois chega ao fim o horário de verão. Há quatro meses, no dia 18 de outubro de 2015, todos os moradores de Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal, já tiveram que mudar, além do próprio relógio, os próprios hábitos. Com a diferença de uma hora, as tarefas do dia a dia ficam mais difíceis e o organismo sente a diferença nos ponteiros nos primeiros dias. Pois agora está chegando a hora de sofrer mais uma vez. Gerando descontentamentos e alegrias, o horário de verão estimula a redução e o uso consciente da energia elétrica, além de os dias terem duração maior e propiciar o melhor proveito da luz solar. Para o jovem João Mário Mesquita, se adaptar à mudança de horário foi um pouco complicado. “Para mim foi tudo novo porque onde eu morava não tinha essa coisa de mudar de horário. Agora já preciso me preparar porque vai mudar outra vez, sei que pelo menos nos três primeiros dias será sofrido”, diz sorrindo. Já para a dona de casa, Nelcina Bueno, a mudança de horário não faz muita diferença. “Prefiro o horário de verão porque parece que conseguimos aproveitar melhor o dia e a luz do sol, mas mudar o horário é normal. Precisamos nos acostumar com os dois, né?”, diz. Sempre com o relógio no pulso, ela garante que não vai esquecer de atrasar em uma hora os ponteiros quando der meia noite do dia 20 para o dia 21. Calor e tempo instável no decorrer da semana A semana iniciou com o clima instável e deve continuar assim, pelo menos até quinta-feira. A possibilidade é de pancadas de chuva a qualquer momento do dia e sensação de abafamento, devido às condições climáticas. A previsão indica que o decorrer da semana continuará com ar abafado, com aberturas de sol e pancadas de chuva com a melhora do tempo, ou seja, o aparecimento do sol, mais para o fim da semana. O dia hoje deve ser com nebulosidade variável e chuva isolada. A temperatura deve ficar entre 18 graus e 25 graus. De acordo com o meteorologista da Epagri/Ciram, Marcelo Martins, a população deve se preparar para o calor intenso que deve atingir os 35 graus entre quinta e sexta-feira. Essa condição indica também que o fim de semana será de muito sol e sem chuva.