Por Dyovana Koiwaski | Foto Eduardo Montecino Na manhã desta segunda-feira (5), a maior demanda nos postos de saúde de Jaraguá do Sul era da população não inclusa no público alvo da campanha de vacinação contra a gripe. As doses restantes foram liberadas na sexta-feira (2) pelo Ministério da Saúde. A campanha estava programada para ocorrer até o dia 26 de maio, porém, em função da baixa adesão, foi estendida até a próxima sexta-feira (9). Dos municípios da microrregião, apenas Corupá atingiu a meta de 90% de cobertura, imunizando 96,47% do público alvo. Juntas, as cidades alcançaram o índice de 87,14%. Assim que soube da autorização, Marcos Vogel, 55 anos, convidou a mulher, Maria Aparecida Vogel, 42 anos, e o filho, Bruno Vogel, 22 anos, para se vacinarem. “Sou a favor da medida, pois muitas pessoas que não fazem parte dos grupos prioritários gostariam de receber a dose e não têm condições de comprá-la”, avalia Vogel. Para Silvana Pretto, 45 anos, a liberação das vacinas para toda a população foi uma decisão acertada. “Se está sobrando, é o certo a se fazer para tentar imunizar o máximo de pessoas possível contra a gripe. Não costumo comprar a dose neste período, mas já tomei a vacina em outros anos que ela foi distribuída para os que não integram o público alvo”, conta . De acordo com a enfermeira de imunização Ana Kneipp, em Jaraguá do Sul ainda restavam sete mil doses na tarde de segunda (5). “Estamos organizando essas vacinas para garantir que as crianças e gestantes recebam a segunda dose”, comenta. Massaranduba contavam com 1.200 doses disponíveis, Schroeder 100, Corupá 400 e Guaramirim 800. As contraindicações da vacina continuam as mesmas: para quem tem alergia à proteína do ovo, usada na fabricação da dose. Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.