Apitos ecoaram por vários locais de Joinville a importância de se combater a violência contra a mulher, nesta quinta-feira (8). A ação foi desenvolvida por dezenas de mulheres em quatro pontos da cidade: Prefeitura, Delegacia de Proteção à Criança Adolescente Mulher e Idoso, Fórum e na Praça da Bandeira.
Quer receber as notícias do Jornal de Joinville no WhatsApp? Basta clicar aqui
O apitaço marca o início da campanha “Apite! Denuncie! Assédio e violência sexual contra a mulher, nunca mais!” Promovida pela Prefeitura de Joinville e Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, para incentivar as mulheres a denunciarem casos de abuso.
Pela manhã elas se reuniram para um grande apitaço coletivo em frente a prefeitura | Foto Secom/Prefeitura de Joinville
“Muitas mulheres sofrem violência que, muitas vezes, não é só física ou sexual, mas psicológica. A mulher não precisa passar por isso. Toda a mulher que sofrer abuso precisa denunciar. Ligando no telefone 180”, reforça a coordenadora das ações da mulher, da Secretaria de Assistência Social de Joinville, Ana Aparecida Pereira. Ela cita que a Delegacia da Mulher de Joinville registra uma média de 13 casos de denúncia de violência, diariamente. “Mas este número pode ser muito maior. Isto porque pesquisas apontam que para cada mulher que denúncia abuso, representa outras duas que não tiveram a coragem de delatar seus agressores. Por isso, precisamos mudar esta realidade”, complementa Ana. Flérida Lerimann, enfermeira aposentada, participante do “apitaço”, contou que já sofreu violência dentro de casa. “É fundamental que a mulher não tenha medo e não aguente a agressão verbal ou emocional. As mulheres não podem sofrer caladas, ou ter vergonha de ter sido vítimas”, declarou incentivando coragem para que a denúncia seja feita. A campanha será divulgada em redes sociais e também no circuito de TV dos terminais de ônibus do transporte coletivo. Canal para denúncias O canal para denúncias é o telefone 180. O número pode ser acionado em situação de violência física, psicológica, maus tratos e abandono. Os casos são acompanhados pela SAS e órgãos policiais.