Apesar do pronunciamento do governador Carlos Moisés na noite desta segunda-feira, no qual anunciou a liberação, com restrições, das tarefas religiosas presenciais em Santa Catarina, seja em igrejas, templos e afins, a Diocese de Criciúma segue com as missas, e demais atividades católicas, suspensas até segunda ordem do bispo Dom Jacinto Inácio Flach.

Logo em seguida à notícia, o padre Gabriel Dalmolin, da Paróquia da Cidade Mineira, emitiu um comunicado, em áudio, via redes sociais, que há de se esperar o pronunciamento do bispo Dom Inácio sobre a possibilidade de retorno.

O bispo terá um encontro com demais autoridades religiosas para definir como serão os procedimentos após a flexibilização por parte do Governo do Estado.

“O governador permitiu que as igrejas que queiram poderão voltar à sua atividade, observando vários requisitos, mas não significa que o coronavírus não existe mais. Ele está aí, e cada vez tem aumentado mais o número de casos, de mortes. Devemos fazer toda prevenção, todo cuidado, todo zelo”, ressaltou o padre Gabriel.

Ele explica que a posição oficial da igreja, do Papa Francisco, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), do bispo Dom Jacinto, é de que se fique em casa.

“Na medida do possível, nos cuidando e cuidando das nossas famílias. Então não está liberado nada ainda na igreja. Agora, se amanhã ou nos próximos dias o nosso bispo disser para poder voltar gradativamente, daí é outra coisa. Mas ele tem que permitir e, por enquanto, não temos posição e a posição da igreja, como um todo, é de que permaneçamos em casa”, solicitou.