A atualização da matriz de risco epidemiológico de Santa Catarina, divulgada nesta quarta-feira (28), revela que o número de regiões em nível "grave" (laranja) para coronavírus aumentou em relação à última semana. De acordo com o mapa, oito regiões se encontram nesta situação, enquanto as outras oito estão em nível "alto" (amarelo). Neste momento, não há regiões em estágio "gravíssimo".

Da semana passada para esta, quatro regiões aumentaram o risco saindo de "alto" para "grave". São elas: Foz do Rio Itajaí, Alto Vale do Itajaí, Serra Catarinense e Oeste. Além delas, quatro se mantiveram nesta classificação: Extremo Oeste, Grande Florianópolis, Laguna e Extremo Sul.

O aumento do número de regiões em risco "grave" traz um alerta para a evolução da Covid-19 no estado.

 

“A maioria das regiões ainda não tem uma capacidade de atenção em leitos de UTI esgotada e preocupante, no entanto nós precisamos ficar bastante atentos porque o nível grave, ou a classificação laranja, ela se dá imediatamente anterior ao nível gravíssimo, que é aquilo que nós queremos evitar”, explica a epidemiologista do Centro de Atenção de Emergência em Saúde, Maria Cristina Vileman.

 

Por sua vez, as regiões em "alto risco" são Médio Vale do Itajaí, Xanxerê, Nordeste, Carbonífera, Alto Vale do Rio do Peixe, Meio-Oeste, Alto Uruguai e Planalto Norte - as duas últimas estavam em risco "grave" na classificação anterior.

Com a nova matriz foram identificadas regiões em estado de atenção, como o Extremo Oeste e a Serra, onde houve um aumento do número de óbitos e há uma projeção para elevação do número de casos. Já regiões como o Extremo Sul, Médio Vale do Itajaí e Alto Vale do Itajaí tiveram uma variação alta do número de casos ativos.

Receba as notícias do OCP no seu WhatsApp: