Uma comitiva formada por membros da diretoria do Instituto Femusc irá se reunir hoje com o governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira, para buscar uma solução definitiva ao problema no repasse de verbas que está preocupando os organizadores do evento. Apesar de os preparativos seguirem dentro do planejado, a quantia de R$ 600 mil em recursos do governo do Estado é tida como indispensável para garantir o bom andamento do festival. Liderada pelo presidente do Instituto Femusc, Hilton José da Veiga Faria, a comitiva recebe ainda o apoio do secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Carlos Chiodini. “A expectativa é que a reunião sirva para resolver e formalizar a questão. Acreditamos que está tudo encaminhado e a audiência será para bater o martelo”, afirma o diretor executivo do Instituto Femusc, Fenísio Pires Júnior. Neste ano, os custos com o evento devem ficar em torno de R$ 2,3 milhões, sendo que a maior parte do valor é obtida junto à iniciativa privada, por meio da Lei Rouanet. Já o município auxilia com o transporte e as acomodações para os estudantes. “Nossa preocupação é que o Instituto necessita entre R$ 60 mil e R$ 100 mil anuais para se manter e a Lei Rouanet não permite o uso de recursos para gastos administrativos”, explica Pires Júnior. Para sanar o problema, o Instituto tem realizado campanhas de arrecadação de maneira a garantir que o dinheiro das inscrições seja destinado à manutenção dos trabalhos no restante do ano. Só as inscrições dos estudantes geram cerca de R$ 200 mil anualmente para o Femusc. 2014_01_15 Fenisio Dir exec FEMUSC - em (1)

Orçamento do Femusc diminuiu de R$ 2,8 milhões para R$ 2,3 milhões este ano, destaca diretor executivo do festival, Fenísio Pires Júnior (Foto: Eduardo Montecino)

Problema com recursos não irá afetar a qualidade Para garantir que a 11ª edição do Femusc irá seguir a qualidade vivenciada nos anos anteriores, a administração do festival adotou uma série de medidas para reduzir custos e aumentar a eficiência. “Este ano cortamos pela metade o uso do papel. As agendas dos alunos passam a ser digitais, ao invés de impressas, o que até pode se mostrar uma ótima ideia a ser seguida daqui em diante”, exemplifica Pires Júnior. Os custos com publicidade também foram reduzidos e agora o trabalho pesado de divulgação acontece nas redes sócias. “Temos que ser mais criativos a cada ano que passa, se levarmos em conta que a inflação subiu mais de 10% e os recursos reduziram em mais de R$ 500 mil. Mas estamos conseguindo, a equipe foi reduzida e os veteranos vestiram a camisa”, destaca o diretor executivo. No ano passado, o Femusc recebeu R$ 2,8 milhões em recursos. “O que estamos fazendo é qualificar o Femusc, aplicando mudanças administrativas estratégicas. Contamos com o prestígio do evento para compensar os cortes com divulgação”, comenta. Para se ter uma ideia, só os custos com refeições para os alunos ultrapassam os R$ 250 mil e os gastos com cachês para professores os R$ 500 mil. “Isso se levarmos em conta que o cachê dos professores é quase simbólico, dado o alto nível destes profissionais, e que as três refeições diárias custam apenas R$ 20 para cada aluno. Se prestarmos atenção veremos que na verdade o festival possui uma administração muito eficiente”, defende Pires Júnior. Aquecendo a economia Enquanto a equipe administrativa trabalha duro para deixar tudo nos trilhos durante o Femusc, os setores hoteleiro e gastronômico da cidade já se preparam para receber os visitantes. Ao todo, o evento reúne cerca de 900 participantes, sendo que mais de 50% dos estudantes (são 650) vem de fora de Santa Catarina. De acordo com a coordenadora do núcleo de hospitalidade da Acijs, Vera Lucia Wilhelm, o evento impulsionou um aumento de mais de 50% na ocupação de janeiro nos hotéis da cidade. “Devido às férias coletivas da indústria, janeiro sempre foi um período fraco para os hotéis. O evento foi estrategicamente colocado nesta época justamente para fortalecer o movimento, e agrega muito”, comenta. Mesmo com a economia retraída, a expectativa ainda é positiva, aponta Vera. Segundo ela, a maior parte das vagas é preenchida por professores, alunos e seus familiares, mas também há os turistas que fazem questão de visitar a cidade por conta do festival. “Temos alguns hóspedes que vêm para a cidade há anos para conferir os concertos”, conta. Para o setor gastronômico, o público de maior peso durante o Femusc são os próprios moradores, que aproveitam o “passeio” para dividir as refeições com os amigos e familiares, atesta o coordenador do núcleo de gastronomia da Acijs, Alessandro Richter. Conheça algumas das atrações da 11ª edição do Femusc: 17 de janeiro Abertura do Femusc com a Orquestra Acadêmica da Udesc, que estará lançando um novo CD. 18 de janeiro O Concerto das Nações traz obras populares de diferentes países, como Brasil, México, Costa Rica, Uruguai, Mongólia, Bolívia, Paraguai, Argentina e Colômbia. 22 de janeiro A Orquestra Mozart apresentará a Sinfonia no 33 do compositor, enquanto a orquestra Sinfônica apresentará “La Valse”, de Maurice Ravel, e o Choros no 10 de Heitor Villa-Lobos com o Coral do FEMUSC. 23 de janeiro A Orquestra de Professores irá executar, sob a regência do maestro Alex Klein, a Sinfonia no 2, de Robert Schumann, e a obra “Sheherazade”, de Maurice Ravel. O violinista alemão Leon Spierer comanda a Orquestra sem Maestro na execução da 4a Sinfonia de Felix Mendelssohn, a “Italiana” (a obra será apresentada em duas partes, a segunda será dia 30 de janeiro). 24 de janeiro Muito apreciada pelo público, Banda Sinfônica do Femusc trará um repertório variado que inclui música popular e temas de filmes, sob a batuta do maestro alemão Dietmar Wiedemann 25 de janeiro Comandado pelo professor e violinista costarriquenho Mario Ulloa, o concerto será dedicado a Heitor Villa-Lobos e trará obras como o Sexteto Místico, o Quarteto de Cordas no 1 e a Bachiana Brasileira no 5. 29 de janeiro A orquestra do Femusc executa a Ópera Carmen, de Georges Bizet, acompanhada dos alunos do Femusckinho e do Coral do evento, sob a regência da britânica Catherine Larsen-Maguire. 30 de janeiro A Orquestra Sinfônica do Femusc encerra o festival com a 5a Sinfonia de Peter Tchaikovsky e a Orquestra Sem Maestro retorna para apresentar a segunda parte da 4a Sinfonia de Felix Mendelssohn. Agenda lotada: confira a programação completa no site do evento.