De repente o som do violão chamou a atenção de Daniel Alves que surgiu no corredor com os olhos brilhando de curiosidade. Ele vinha de um dos quartos do Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC), onde recebe tratamento.

Ao romper pela porta ele deu um passo para trás, mas se recompôs e seguiu em frente atraído, além da música, pelos vários personagens que via à frente. Princesas, heróis, palhaços, entre outros, fizeram a manhã dele e de tantas outras crianças sair da rotina.

"Gostei muito de ver o Homem Aranha", revelou o menino de três anos de idade ao se despedir dos visitantes ilustres de quem também recebeu um presente.

Por baixo das fantasias estavam os acadêmicos de Medicina da Unesc que fazem parte da Liga de Cirurgia Pediátrica que nessa quarta-feira (12/10) deixaram o jaleco, os livros e os computadores um pouco de lado para levar alegria às crianças hospitalizadas.

Uma das integrantes do grupo é Laís Madeira Constantino, aluna da oitava fase de Medicina, que participa da ação pela segunda vez.

"É um dia difícil para as crianças estarem no hospital por não poderem estar brincando, então é muito bom visitá-los e proporcionar momentos diferentes para elas. Isso é o mais relevante", cita.

Um grande presente

Quem também se dirigiu ao corredor ao ver a movimentação foi Natália Lefa, mãe de Ravi Lefa, de dois meses e meio, que está hospitalizado há seis dias, mas que iria receber alta horas depois da visita dos acadêmicos.

"Foi um grande presente de Dia das Crianças, pois eles nos trouxeram alegria em um momento que ficamos no quarto, tristes, sem ver o que acontece aqui fora e isso me deixou muito feliz", ressalta.

A Liga de Cirurgia Pediátrica da Unesc tem o objetivo de fazer pesquisa e extensão, por isso, o professor de cirurgia pediátrica da Unesc e que trabalha na unidade hospitalar, Christian Prado, ressalta que é importante os alunos terem este contato.

"É a parte humana do nosso atendimento e eles estão contribuindo ao levar alegria e um pouco de esperança para as crianças. Ter este contato que foge do trabalho médico é importante para o aprendizado deles", conta o profissional, acrescentando que o Hospital Materno Infantil é ainda um local de aprendizado.

"A direção foi solícita ao nos permitir a realização deste trabalho, inclusive os médicos contribuíram com a aquisição dos brinquedos que foram entregues", finaliza.

Além do HMISC, os acadêmicos também visitaram as crianças que recebem tratamento do Hospital da Unimed, de Criciúma.