A morte repentina do veterinário de Nova Veneza, Geraldo Antonio Ghislandi, o Titi Ghislandi, aos 62 anos, deixou a família com o coração partido e mais vulnerável a atender a uma lista de pedidos bem diferente quando morresse: comida, bebida e muita música durante seu velório, que deveria ser no sítio onde cresceu.

Há cerca de 30 dias, Titi descobriu um câncer no fígado. Tudo foi muito rápido. Durante esse período, foi internado no Hospital São João Batista, em Criciúma, e morreu na manhã da última sexta-feira (9).

“Ele era uma pessoa muito querida. Ficamos sensibilizados com o pedido e decidimos acatar”, disse o sobrinho Carlos Eduardo Ghislandi, de 42 anos.

Atualmente, quem mora no sítio é Carlos Eduardo e a família. Ele conta que cedeu o local para a realização do velório, já que o tio morou a vida inteira lá. O velório aconteceu durante a noite, dentro de casa e, na manhã seguinte, à céu aberto.

Na lista, velório no gramado do sítio, músicas de Zé Ramalho, Elis Regina e Raul Seixas - seus artistas preferidos -, comida servida para os familiares, cerveja, vinho, cachaça e uísque.

“Tocamos as músicas em um violão. Ele ainda queria matar um novilho, mas esse pedido não pudemos atender”, disse o sobrinho.

O que chamou a atenção no velório é que tudo aconteceu em plena pandemia de Covid-19, quando não pode haver aglomeração, mas cerca de 50 pessoas participaram da despedida. De acordo com Carlos Eduardo, a família procurou a Prefeitura e a Vigilância Sanitária para pedir autorização.

“Nossa família é muito grande e não tinha como evitar que a maioria se despedisse. Fomos orientados a manter todos os protocolos de higienização, controle de pessoas nos ambientes, uso de máscaras, distanciamento, uso de álcool em gel. Afinal, trata-se da minha casa”, explicou o sobrinho.

Titi trabalhou na Cidasc durante 35 anos. Deixou a esposa, Maria Elisa Netto Ghislandi, e os filhos, Marina Netto Ghislandi, Luiza Netto Ghislandi e Geraldo Antonio Ghislandi Filho.

Vídeo

Um vídeo que circula não é do velório de Titi. De acordo com a família, o local não é a residência de Carlos Eduardo. Não há muitas referências sobre quando as imagens foram feitas, mas é possível ver neste link que em 3 de fevereiro de 2020 foi publicado no canal Vídeos Legais da Net.

 

Fonte: Notisul