Dos 111 mil jaraguaenses a serem vacinados contra a febre amarela no município, apenas 43 mil já foram imunizados. Outras 68 mil ainda precisam procurar as unidades de saúde. Para a gerente de Vigilância Epidemiológica, Fabiane da Silva Ananias, os números são preocupantes.

No fim de janeiro, um caso de febre amarela foi confirmado no Paraná. O fato deixa Santa Catarina em alerta, devido à proximidade com o estado. A Secretaria de Saúde reforça que há previsão de que o vírus da doença chegue em breve ao município.

As vacinas são destinadas para pessoas com idade entre 9 meses e 59 anos, sendo ainda mais importantes para quem mora em áreas rurais ou de matas e rios, trabalha com pesca e agricultura ou planeja deslocamentos para áreas com casos confirmados da doença.

Para receber a dose, basta ir até um posto de saúde do município com a carteira de vacinação e documento de identidade. As unidades contam com a quantia necessária para imunizar a população jaraguaense.

Aquelas pessoas que já se vacinaram, mesmo que há dez anos ou mais, não precisam comparecer no posto de saúde. A dose é considerada única. As pessoas que não lembram e não têm comprovação da vacina podem se vacinar, pois não há contraindicação caso se receba duas doses da vacina. Idosos com 60 anos ou mais devem buscar orientação médica com antecedência.

Preocupada com a aproximação do vírus da febre amarela, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive), emitiu uma nota de alerta reforçando o pedido para que as equipes regionais e municipais de saúde intensifiquem as ações de vigilância da doença e para que todos os moradores de Santa Catarina, com idade superior a nove meses de idade, procurem um posto de saúde e tomem a vacina contra a febre amarela.

Caso no Paraná

No dia 29 de janeiro, a Secretaria da Saúde do Paraná confirmou o primeiro caso de febre amarela no estado. Um jovem, de 21 anos, que não havia tomado a vacina, contraiu a doença. Antes disso, dois macacos morreram por conta do vírus.

Os animais foram encontrados no município de Antonina, no litoral do Paraná. De acordo com o gerente de zoonoses da Dive, João Fuck, isso quer dizer que o vírus está circulando no estado e pode chegar até Santa Catarina.

Área de recomendação

Desde o segundo semestre de 2018, após recomendação do Ministério da Saúde, todo o estado de Santa Catarina tornou-se Área com Recomendação de Vacinação (ACRV) para febre amarela. Com essa ampliação, os moradores dos 295 municípios catarinenses, como Jaraguá do Sul, precisam estar imunizados contra a doença.

A gerente de imunização da Dive, Lia Quaresma Coimbra, ressalta que basta apenas uma dose da vacina para se proteger da febre amarela durante toda a vida “A febre amarela pode matar e a vacina é a única forma de prevenção”, enfatiza.

Ampliação da campanha

Para facilitar o acesso da população às doses, a ampliação da vacinação está ocorrendo de forma gradativa, em seis etapas. Nos municípios da microrregião, o processo começou em outubro do ano passado e deve terminar neste mês.

Agora, é a região da Grande Florianópolis que está iniciando a mobilização. Após este momento, as vacinas voltam a ser oferecidas somente nas unidades de referência.

Dúvidas

1 - Quanto tempo leva da picada até o início dos sintomas?

Geralmente de três a seis dias após a picada, podendo levar até 15 dias.

2 – Quais os sintomas da febre amarela? 

Os sintomas iniciais incluem febre súbita, calafrios, dor de cabeça, dor nas costas, dor no corpo, náuseas, vômitos e fraqueza. A maioria das pessoas melhora após os sintomas iniciais.

No entanto, cerca de 15% dos casos apresenta um breve período de melhora e, então, desenvolvem uma nova fase mais grave da doença.

Nesses casos, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. De 20 a 50% das pessoas que desenvolvem a forma grave da doença morrem.

3 - Qual o papel dos macacos na transmissão da febre amarela? 

Os macacos não transmitem a febre amarela. Eles adoecem e morrem da mesma forma que os humanos. Por isso, a morte de macacos é um sinalizador da presença do vírus na região.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?