O câncer é um dos problemas de saúde que mais assusta, e não é por menos. Afinal, alguns casos são extremamente graves. Por isso, vale a pena conhecer quais são os mitos e verdades sobre o câncer.

O câncer é provavelmente uma das doenças que mais assusta as pessoas, e isso se deve a uma enxurrada de mitos que circulam popularmente e fazem muitas pessoas acreditarem que um diagnóstico dessa doença é sinônimo de morte.

Porém, o índice de mortalidade do câncer não é tão alto assim como se imagina, existem atualmente muitos tratamentos que apresentam excelentes resultados quando realizados especialmente mais cedo. Acompanhe esse artigo e conheça 12 mitos e verdades sobre o câncer.

12 mitos e verdades sobre o câncer

  1. O desenvolvimento do câncer é sinal de castigo. MITO

Existem inúmeros motivos que podem promover o surgimento dessa doença. Conhecidos como fatores de risco, os principais relacionados ao desenvolvimento do câncer são consumo exagerado de álcool, tabagismo, hábitos alimentares ruins e sedentarismo. Por isso, o mais indicado é evitar hábitos ruins, cultivar uma alimentação mais saudável e parar de fumar.

  1. Tenho parentes que tiveram câncer, então eu também terei. MITO

Com exceção de alguns casos raros, o câncer não é uma doença hereditária. O que pode acontecer é a presença de fatores genéticos capazes de tornar algumas pessoas mais susceptíveis aos agentes cancerígenos.

  1. Peso excessivo aumenta a probabilidade de ter câncer. VERDADE

O peso excessivo promove maiores chances de desenvolver o câncer. Isso ocorre porque, com ele, estão presentes alterações hormonais e constantes estados inflamatórios relacionados a órgãos como fígado, estômago, pâncreas, mamas, ovários, próstatas e mais algumas áreas do corpo.

  1. Qualquer tipo de tumor é considerado câncer. MITO

Existem tumores que são benignos e malignos. Os benignos são apenas um crescimento anormal de massa em uma determinada região do corpo, já os malignos são considerados como câncer.

  1. Pessoas com mais de 40 anos têm mais chance de ter câncer de pele. VERDADE

Essa é uma verdade, pois os efeitos nocivos da ação do sol são cumulativos, logo, a probabilidade de desenvolver um câncer de pele a partir dos 40 anos é muito maior.

  1. Há como prevenir o desenvolvimento do câncer com uma dieta saudável. VERDADE

Uma dieta rica em alimentos naturais como verduras, frutas e legumes pode prevenir o surgimento de câncer. Assim como existem alimentos que podem ajudar a desenvolver a doença, existem aqueles que ajudam a evitá-la.

  1. Anemia pode virar leucemia. MITO

Esse é um mito muito difundido. A anemia é o nome dado aos baixos níveis de hemoglobina no sangue. A leucemia é a multiplicação descontrolada, cancerosa, de glóbulos brancos.

  1. A amamentação ajuda a prevenir o câncer de mama. VERDADE

A ação de mamar do bebê faz com que as células mamárias se concentrem em produzir leite, e acabem se multiplicando menos. Isso diminui muito a chance de câncer de mama.

  1. Comida de micro-ondas aumenta a possibilidade de ter câncer. MITO

As micro-ondas emitidas pelo eletrodoméstico não transformam os alimentos em produtos radioativos, nem mesmo apresentam riscos relacionados à exposição de radiação.

  1. Pacientes com câncer de próstata ficam impotentes. MITO

O câncer na próstata não causa impotência, mas é possível que seu tratamento promova alguns efeitos colaterais. Por isso, é importante sempre ter um acompanhamento médico individual.

  1. Câncer pode levar a desenvolver depressão. VERDADE

Pacientes com câncer podem desenvolver quadros de depressão por uma série de fatores como medo de morrer, medo do tratamento e mais.

  1. Homens podem ter câncer de mama. VERDADE

Essa possibilidade existe, porém, o câncer de mama nos homens é muito raro. Apenas 1% dos casos de tumores mamários malignos é masculino.

Esperamos ter ajudado com esses esclarecimentos maiores. Existem muitos outros mitos e verdades sobre o câncer, mas, de maneira geral, esses são mais os mais comuns. Lembre-se de conversar com seu médico e tirar sempre todas as dúvidas.

Fonte: Euroclinix