O clima ficou tenso no Rio de Janeiro entre torcedores do Fluminense e Boca Juniors, na quinta-feira (2), dois dias antes da final da Libertadores da América, no Maracanã.

Durante a tarde, torcidas organizadas do Tricolor foram até a praia de Copacabana e atacaram os argentinos. Vídeos mostram uma briga generalizada, e “guerra” de cadeiras e sombrinhas.

A polícia precisou intervir com balas de borracha e gás de pimenta. Um torcedor do Boca foi detido acusado de arremessar um objeto no pescoço de um PM e outro por chutar um cachorro de um brasileiro, que ainda teria sido chamado de "macaquito".

Mais confusões foram registradas em outros pontos da capital carioca e novamente em Copacabana pela noite. De acordo com moradores da região, vários torcedores do Boca foram atendidos na UPA da orla.

As versões de ambos os lados se repetem. Torcedores do Fluminense relatam provocações dos argentinos, que os chamaram para o embate com as palavras "vem, vem, vem", além de gestos de cunho racista.

“Eu estava na praia com minha esposa. O cara chegou do nada, alterado, gritando coisas que não entendíamos. Meu cachorro foi para cima dele, ele deu um chute no meu cachorro. Eu falei "que isso? Tá maluco?". Ele tentou me dar um soco, mas pegou de lado e foi embora. Quando o policial chegou, o achou e levou. Ele nos ofendeu o tempo todo e tentou agredir outras pessoas. Proferiu várias ofensas: "Boludo, macaquito, não sei o que de m...”, disse um brasileiro.

Já os torcedores do Boca Juniors acusam os tricolores de começarem a briga, armando uma emboscada. Eles ainda acusam a Polícia local de ser truculenta e não escutar suas versões.

“Toda a polícia do Brasil é um desastre. Violência contra os argentinos, todos os torcedores do Boca que estavam em Copacabana. Estávamos em paz. A polícia do Brasil defendeu todos os torcedores do Fluminense que nos emboscaram. Filhos da p#$@. Os torcedores do Fluminense atacaram os torcedores do Boca e a polícia também foi contra a torcida do Boca. Não defenderam em nenhum momento. Futebol tem que ser festa, alegria, não violência”, declarou um argentino.

Com o cenário caótico, a Conmebol utilizou as redes sociais para fazer um apelo pela não violência.

"A Conmebol convoca os torcedores do Boca Juniors e do Fluminense para compartilharem juntos os momentos de alegria e celebração que nosso futebol nos proporciona. Os valores do desporto que mais nos apaixona devem inspirar comportamentos de paz e harmonia. Por esta razão, repudiamos os atos de violência e racismo que possam ocorrer no âmbito desta final", disse.