O Athletico-PR suspendeu o torcedor Eduardo Bosse Teixeira Alves do quadro de sócios. A decisão foi motivada pelo ‘banho de cerveja’ que o atleticano deu em Luciano Hang após a final da Copa do Brasil, em dezembro de 2021, quando o Furacão perdeu para o Atlético-MG, na Arena da Baixada.

O pedido de afastamento foi formulado pelo representante do empresário, por meio do escritório Leal & Varasquim. Com isso, o associado está suspenso de todas as atividades no time e não pode acessar as dependências do clube.

“A agressão é inaceitável, demonstra ausência da capacidade de convívio do agressor com os demais sócios. Por isso, temos considerado gravíssimas tais condutas e reprimindo-as na forma que o Estatuto ainda nos permite”, diz um trecho do documento assinado por Edison Eduardo Borgo Reinert, presidente da Câmara de Ética do Athletico.

Além da suspensão, o advogado Eduardo Alves já havia perdido o emprego no escritório em que trabalhava. O torcedor ainda relatou que foi ameaçado na época e que "a sua vida virou um inferno" depois do episódio.