Defensor do isolamento social e do rígido protocolo contra o novo coronavírus, o técnico Lisca chegou a pedir a paralisação da Copa do Brasil há duas semanas.

Agora, o treinador do América-MG veio a público novamente e sugeriu a criação de um auxílio emergencial aos clubes e jogadores mais necessitados, caso o futebol no Brasil volte a parar por completo.

“Não podemos deixar nenhum profissional desatendido, não só no futebol. Já tivemos auxilio emergencial que foi fundamental”, afirmou Lisca, antes de aprofundar o raciocínio. “Se tiver que parar, os clubes menores… Acho que nós, treinadores e clubes das Séries A e B, CBF e Federações, deveríamos nos mobilizar para criar auxílio emergencial do jogador de futebol profissional pelo tempo que ele ficar parado. Ajudando os clubes que não tiverem capacidade para pagar esses profissionais pelo tempo que ficarem parados”, disse.

Lisca recordou o caso da primeira paralisação do futebol. Segundo ele, os funcionários do futebol profissional do América-MG tiveram 40% do salário cortado durante quatro meses.

“Fica uma sugestão, de repente, cortar as imagens de jogadores e treinadores das Séries A e B, 20% fica no clube e 20% fica para esse fundo. A CBF tem controle de todos os contratos, de valores, está tudo dentro da CBF. É hora de a gente, em melhor condição, se sacrificar e ajudar todos. Está caindo de maduro para a gente do futebol fazer isso”, declarou.

O Campeonato Mineiro, no qual o América, de Lisca, é vice-líder, foi suspenso até o dia 1º de abril.

Fonte: Metropoles