O caso envolvendo Mauricio Souza segue dando o que falar. Neste sábado (30), um grupo de associados do Minas protestou contra a demissão do jogador da equipe de vôlei masculina do clube após a repercussão negativa de postagens homofóbicas feitas por ele.

Os manifestantes acusaram o Minas de fazer um "julgamento ditatorial" do atleta e estenderam uma faixa com a seguinte frase: " Minas Tênis Clube, todos os associados têm que ter vez e voz".

Um novo protesto pode acontecer na noite deste sábado, quando a equipe estreia na Superliga 2021/2022, contra o São José, às 20h.

O central ex-seleção brasileira criticou a DC Comics, que revelou que o novo Super-Homem, filho de Clark Kent, será bissexual na próxima história em quadrinhos.

Ele foi afastado pelas postagens de teor homofóbico, recebeu uma multa e foi pressionado a se retratar publicamente.

Em sua conta no Instagram, onde começou toda polêmica, o central atendeu o pedido, mas gerou uma nova polêmica ao usar frases como "defender o que acredito", além de reforçar que seguirá defendendo "sua opinião".

A publicação incomodou o clube, que já vinha sendo pressionado pelos patrocinadores, a ponto de rescindir o contrato do atleta.

Entenda o caso

Há duas semanas, DC Comics anunciou que o novo Super-Homem, filho de Clark Kent, se descobrirá bissexual nas próximas edições das histórias em quadrinhos

A novidade gerou muita repercussão pelo mundo, inclusive, gerando atrito entre jogadores da seleção brasileira de vôlei.

O primeiro a se manifestar nas redes foi Maurício Souza, que fez críticas à DC. “Ah é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar”, postou em uma rede social.

Já o ponteiro Douglas Souza, um dos maiores símbolos da comunidade LGBTQIA+ do esporte, postou a mesma ilustração, mas com opinião contrária a do companheiro de seleção.

“Engraçado que eu não virei heterossexual vendo os super-heróis homens beijando mulheres. Se uma imagem como essa te preocupa, sinto muito mas eu tenho uma novidade pra sua heterossexualidade frágil. Vai ter beijo sim. Obrigado DC por pensar em representar todos nós e não só uma parte”, escreveu.

 

Pouco depois, Mauricio voltou a se posicionar mandando uma "indireta". “Hoje em dia o certo é errado e o errado é certo... Não se depender de mim. Se tem que escolher um lado eu fico do lado que eu acho certo! Fico com minhas crenças, valores e ideias”, declarou.

Diante de toda repercussão, o Minas emitiu uma nota, afirmando que respeita a opinião de cada atleta, mas que não aceitaria manifestações homofóbicas de jogadores que carregam a camisa do clube.

Apesar das críticas, Mauricio manteve seu posicionamento até ter seu contrato rescindido pelo clube.