Por: Kamila Schneider  Edital para contratação dos técnicos que irão coordenar as diferentes modalidades de base esportivas do município deve ser lançado nesta quarta (26), segundo previsão da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer. O processo seletivo ficará aberto durante 30 dias e irá selecionar 25 profissionais experientes, com salários que variam entre R$ 2,4 mil e R$ 4,1 mil. No total, serão destinados R$ 565 mil para o pagamento dos treinadores, que deverão iniciar os trabalhos em meados de junho. Anteriormente, os técnicos eram contratados na modalidade de cargos comissionados, mas uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado, publicada no ano passado, determinou que os cargos comissionados fossem direcionados exclusivamente áreas administrativas do poder público, explica o diretor de Esportes da secretaria, Agostinho Ferrari. “Desta forma, o município tem a opção de realizar a contratação por meio de concurso público ou, no nosso caso, por meio da lei que institui a Bolsa Desportiva Municipal”, diz o diretor. Entre as exigências estipuladas para a contratação dos profissionais está a participação em competições esportivas em âmbito municipal, estadual, nacional ou internacional e apresentação de um plano anual de participação em, no mínimo, uma competição oficial da modalidade ou categoria de atuação. “Estes profissionais precisarão estar ligados ao conselho regional de educação física, podendo ser formado nesta área ou provisionado na modalidade específica”, detalha Ferrari. A demora no lançamento do edital levantou questionamentos por parte da classe esportiva do município, uma vez que muitos técnicos precisaram trabalhar sem remuneração ou abandonar a área por cauda da morosidade do processo. A secretária de Cultura, Esporte e Lazer, Natália Petry, disse lamentar o atraso e apontou a falta de orçamento como a principal dificuldade da pasta. “No ano passado, não foi previsto orçamento para esta ação. A lei da bolsa desportiva foi aprovada ainda em fevereiro, mas a falta de orçamento emperrou o processo, questão que foi resolvida somente na semana passada”, afirma a secretária. “É claro que há uma cobrança grande nesse sentido”, destaca. Segundo Natália, o objetivo da secretaria é garantir que o próximo edital esteja pronto até o fim do ano, para que em 2018 a contratação seja efetuada até o início de fevereiro. “Este ano o contrato será de seis meses, mas a partir do ano que vem será de 11 meses, com custo orçado de R$ 906 mil para o período. Para se ter uma ideia, antes disso eram gastos R$ 2,560 milhões com a contratação dos técnicos como comissionados. É grande diferença”, defende.