O desempenho do ‘Time Jaraguá’ na 17ª Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc), realizada entre os dias 7 e 14 deste mês, em Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, surpreendeu positivamente os coordenadores e técnicos das equipes. Afinal, mesmo com todos os problemas enfrentados no primeiro semestre do ano, com o atraso na contratação dos treinadores e início dos treinamentos, a delegação jaraguaense melhorou os resultados em relação ao ano passado. Na classificação geral, o 6º lugar obtido no ano anterior foi mantido, mas o aumento nas conquistas de medalhas foi o que chamou a atenção, subindo de 24 para 32. A partir desta edição, o jornal "O Correio do Povo" inicia uma série de reportagens com as três modalidades que mais se destacaram na competição, começando por uma das principais responsáveis por essa ascensão no número de pódios: o xadrez. Apesar da mudança radical imposta pela Fesporte em dezembro de 2016, quando anunciou que a modalidade iria mudar a faixa etária de 10 a 14 anos, deixando de ser dos 14 aos 17, os jovens enxadristas de Jaraguá se destacaram e levaram nada menos que 11 medalhas na Olesc, sendo quatro de ouro, quatro de prata e três de bronze. Resultados expressivos e de certa forma inesperados, afirma a professora Karina Kanzler Ferreira. “Essa quebra de três anos prejudicou várias equipes. A nossa não foi diferente, porque tínhamos uma média de idade de no máximo 12 anos. Então os resultados foram uma surpresa. Por ser uma modalidade individual e pelo pouco tempo de trabalho que tivemos neste ano, o xadrez surpreendeu e terminamos com um saldo muito positivo”, disse. Com um grupo numerosamente inferior a outras cidades, Jaraguá não conseguiu chegar ao pódio na classificação geral, que engloba as categorias Blitz, Rápido, Individual e Equipe. Porém, o naipe feminino ficou muito próximo de garantir um troféu ao terminar em 4º lugar. O maior destaque entre as meninas foi Camile Wiltner, que faturou um ouro no Blitz, prata no Rápido e bronze no Individual. “O nível das adversárias e dos jogos foi bom. Não esperava ir tão bem assim, mas fiquei muito feliz em conquistar estas três medalhas”, declarou Camile. As outras medalhistas foram Lívia Boava, com a prata no Blitz, e Julia Fuchter, com dois bronzes, uma no Rápido e outra no Blitz, além de uma prata no Individual. Alto nível dos competidores chama a atenção Já no masculino, os jaraguaenses fecharam na 10ª colocação geral, mas tiveram o prodígio Lucas Piccoli como o maior vencedor da modalidade ao conquistar três medalhas de ouro, no Blitz, Rápido e Individual. “Foi um torneio de altíssimo nível, um dos mais fortes do Estado. Tive uma preparação bem rigorosa e me esforcei bastante para a Olesc. Foi muito gratificante garantir estes três ouros para Jaraguá”, afirmou Lucas. Quem também subiu ao pódio foi Eduardo Galina Gonçalves, que ficou com a prata no Individual. Ao fim da disputas e com preparação iniciada para outras competições até dezembro, a técnica Karina não escondeu a alegria de ver o projeto de xadrez rendendo frutos e a projeção de um futuro ainda melhor. “Foi muito satisfatório ver estes atletas recebendo as medalhas e alegres por representarem tão bem Jaraguá do Sul. A gente se esforça bastante nos treinos e isso é fruto do trabalho de cada um. Pretendemos manter isso e até melhorar para o ano que vem trazer ainda mais medalhas”, destacou.

"Essa quebra de três anos prejudicou várias equipes. A nossa não foi diferente, porque tínhamos uma média de idade de no máximo 12 anos. Então os resultados foi uma surpresa. Por ser uma modalidade individual e pelo pouco tempo de trabalho que tivemos neste ano, o xadrez surpreendeu e terminamos com um saldo muito positivo." 

Karina Kanzler Ferreira, professora