Vivendo a pior crise de sua história, o Cruzeiro vem acumulando dívidas e punições nos últimos anos. E uma delas é a que mais preocupa o clube.

Caso não pague uma dívida referente ao empréstimo do volante Denilson, feita em 2016, junto ao Al Wahda, dos Emirados Árabes, a Raposa pode ser rebaixada para Série C do Campeonato Brasileiro.

Na temporada 2020, o clube iniciou a Série B com seis pontos negativos pelo mesmo problema.

Em entrevista coletiva, o presidente Sérgio Santos Rodrigues revelou que apesar de encaminhada, a venda Sede Campestre II, que vai ajudar a levantar os cerca de R$ 5,3 milhões da dívida por Denilson, tem esbarrado em questões burocráticas.

"Com relação ao Denilson, pode acarretar uma perda mais efetiva, a grande questão é que a gente conseguiu aprovar a alienação daquela Sede Campestre II, em uma reunião que foi feita ano passado. Desde então, temos procurado compradores. Conseguimos arrumar um, que vai pagar o valor de avaliação, mas são problemas micro do Cruzeiro que as pessoas não sabem", disse.

Em junho, o time mineiro já foi punido na Fifa devido a um débito em aberto com Arrascaeta, hoje no Flamengo, na época em que foi trazido do Defensor, do Uruguai.

Com isso, o clube ficou impedido de registrar novos jogadores pelas próximas três janelas de transferência ou até que a dívida seja paga.

Uma nova punição pode surgir neste mês de julho, desta vez por causa do atacante Riascos. Caso não seja quitado, o Cruzeiro pode novamente perder pontos no campeonato nacional ou até mesmo ser rebaixado de divisão, assim como a situação de Denilson.