De segunda a sexta-feira, Mauro Freitas é metalúrgico e exerce a profissão das 5h às 14h18, na Weg. Para quebrar a rotina de trabalho, ele encontrou no esporte uma forma de ter uma vida mais saudável. A decisão foi tomada há seis anos, quando conheceu a corrida de rua. Desde então, aquilo que começou como um hobby virou uma paixão, e, hoje, aos 41 anos de idade, o jaraguaense aparece como um dos principais ultramaratonistas do Estado.

Quer receber notícias no WhatsApp? Clique aqui

Mas quem o vê superando provas desgastantes de mais de 50km, não imagina as dificuldades enfrentadas no início. A convite do irmão, ele começou a treinar curtas distâncias e quase chegou a desistir do esporte. “Corria 2km e ficava muito cansado. Na hora, achei que aquilo não era pra mim”, lembra. Mauro não resistiu ao primeiro passo, mas o pontapé inicial para uma nova vida estava dado.

Em busca de desafios, ele resolveu insistir e passou a treinar com mais frequência. Rapidamente, a adaptação ao esporte foi evoluindo e consequentemente veio as participações em provas curtas de 5km e 10km. Em questão de seis meses, já estava disputando uma Meia Maratona (21km), e foi dali para as Maratonas (42km), um ano mais tarde. Mas engana-se quem pensa que o corredor de Jaraguá do Sul parou por aí.

Indicado por um amigo, ele decidiu ‘subir o sarrafo’ mais um pouco e se inscreveu para sua primeira ultramaratona em 2015, na cidade de Morretes (PR). “Cada vez mais fui buscando novos desafios, então fiz a prova de 52km e não parei mais”, declara. Assim, tomou gosto e passou a acumular ‘ultras’ no currículo. Até então já foram dez provas na carreira, sempre levando algum destaque.

Jaraguaense exibe alguns troféus conquistados na pista I Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Entre as conquistas estão três troféus de campeão, dois de vice, um de terceiro e quarto lugar, e dois de quinto. As mais recentes foram realizadas nesta temporada no Paraná, sendo uma de 6h, na qual ficou na terceira colocação, e a última de 50km pela areia no fim de março, quando sagrou-se campeão.

“A superação dos próprios desafios e esse gosto pela ultramaratona ajudam na hora de garantir bons resultados”, afirmou. “Fico orgulhoso em poder representar Jaraguá do Sul nos eventos. Recebo o apoio de muita gente e isso me motiva ainda mais para continuar conquistando troféus”, completou.

Preparação

Mauro não tem nutricionista e o combustível para tanto exercício vem de uma boa alimentação e preparação. Focado em treinos de quantidade e não velocidade, ele roda cerca de 70km a 80km de segunda a sexta. Já no fim de semana, a carga diária vai de 30km a 40km. “Provas de 5km e 10km tem que ter mais velocidade e o treino é mais exaustivo. Para ‘ultra’ tem que ter mais resistência e acredito que esse é o meu ponto forte”, explicou.

Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Os desafios de uma prova desta complexidade são imensos e o metalúrgico conta que o mais difícil é vencer a mente. “A dificuldade é você trabalhar o psicológico, porque sempre vai ter muito chão pela frente. Para quem está começando é bom cadenciar e correndo aos poucos para não cansar tão rápido. Hoje eu faço isso e dá certo nas provas”, conta o jaraguaense.

Objetivos

Após perder uma prova em abril por lesão, Mauro Freitas voltou aos treinos na última segunda-feira (21), visando dois eventos até o fim do ano. Um deles é a Maratona de Floripa, agendada para o mês de julho. O outro é as 12h de Piracicaba, justamente a prova perdida no mês passado. “Esse é meu grande foco e vou me preparar forte para voltar de lá com mais um troféu”, disse o atleta patrocinado pela Sol Sports.

Mauro Freitas sonha participar de prova de 135km I Foto: Eduardo Montecino/OCP News

No entanto, o grande sonho do jaraguaense é disputar, em breve, a prova de 135km da UAI (Ultrados Anjos Internacional), que acontece em Minas Gerais. Até lá, Mauro segue firme no esporte que escolheu para vida. “A corrida é fundamental para saúde. Você aprende a se alimentar bem e muda totalmente seus hábitos. Foi essencial na minha vida e espero continuar correndo por muito tempo”, concluiu.