Laudo confirma que presidente de organizada morreu após ser pisoteado por cavalo da polícia

Mauro Urbim, presidente da torcida Fúria Independente, do Paraná Clube | Foto: Divulgação/Fúria

Por: Lucas Pavin

01/09/2022 - 16:09

Exatamente um mês após a morte de Mauro Machado Urbim, um laudo apresentado pela Polícia Militar do Paraná (PM-PR) nesta quinta-feira (1º) confirmou que o presidente da torcida Fúria Independente do Paraná Clube foi a óbito ter sido pisoteado por um cavalo da própria PM.

O caso aconteceu no dia 30 de julho, durante o intervalo do jogo entre Paraná e FC Cascavel, pela Série D do Brasileiro, na Vila Capanema, em Curitiba (PR).

O torcedor chegou a ser levado para um hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos e morreu aos 41 anos.

Segundo a polícia, os inquéritos concluíram ainda que não houve culpados pela morte de Urbim. Com isso, os policiais envolvidos não serão afastados.

“Os policiais continuarão trabalhando normalmente, porque agiram dentro da técnica esperada numa situação em que o resultado não era o esperado, mas não foi apontada nenhuma irregularidade na conduta dos policiais”, disse o tenente-coronel da PM, Angelotti.

Outra investigação também foi feita pela Polícia Civil. O delegado Luiz Carlos Oliveira comentou também que a morte do torcedor foi uma “fatalidade”.

“Houve uma somatória de efeitos negativos nesse caso que culminou, infelizmente, com a fatalidade da morte de Mauro”, afirmou.

Já a família do torcedor divulgou uma nota discordando da versão apresentada pela polícia de que a morte foi uma fatalidade.

“O laudo revelou que a versão inicialmente apresentada pela Polícia Militar é falsa e que Mauro teve sua cabeça pisoteada pela cavalaria da PM-PR. Fatalidades não possuem três versões contraditórias”, declararam.