Anunciado na segunda-feira (16) pelo Juventus, o técnico William de Mattia já iniciou os trabalhos com o elenco, visando o jogo do próximo sábado (21), contra o FC Cascavel, no Estádio João Marcatto, pela sexta rodada da Série D do Campeonato Brasileiro.

O jovem treinador de 39 anos terá no Moleque Travesso apenas sua terceira experiência na função. A carreira se iniciou em 2019 no Nova Mutum, onde teve sucesso ao ficar por três temporadas e ser campeão da segunda e primeira divisão do Estado.

Em 2022, o catarinense de Criciúma buscou novos ares e acertou com o Grêmio Anápolis. Com a responsabilidade de comandar o até então atual campeão goiano, ele não conseguiu repetir o sucesso anterior e deixou o clube após três empates nas três primeiras rodadas do ‘Goianão’.

Agora tenta resgatar os bons momentos vividos no Nova Mutum em Jaraguá do Sul, cidade que já traz uma ligação antiga por ter atuado como jogador do próprio Tricolor em 2005.

“É um prazer estar retornando a Jaraguá do Sul, uma cidade acolhedora e que tive passagem em 2005. Estou muito feliz pelo retorno e o que me fez aceitar o convite foi por conhecer o grupo de trabalho. O Juventus tem muita tradição em Santa Catarina, que é meu Estado, então tudo isso me fez voltar”, disse.

E da época de volante, com passagens por mais de 10 clubes na carreira, como Figueirense, Marcílio Dias, Santa Cruz e Juventude, ainda carrega uma característica muito presente até hoje, mas agora à beira do campo: o perfil “sanguíneo”.

Foto: Lucas Pavin/Avante! Esportes

Esse estilo didático que já era notável desde quando era jogador já pôde ser visto logo nos primeiros treinos desta semana, com muita cobrança e incentivo a cada movimento dos atletas.

William de Mattia preza por um time organizado, com as linhas bem adiantadas e próximas uma das outras, além de impor uma marcação pressão a todo momento sobre o adversário.

“Como atleta sempre fui muito sanguíneo pela posição que jogava como volante. Prezo em ter um time muito competitivo, com vontade e raça no limite. Só com um nível de concentração muito alto se ganha na Série D, que é muito nivelada. O torcedor pode esperar uma equipe muito organizada, com raça e competitiva”, destacou.

A conexão das ideias com o elenco ainda será colocada a prova, mas se depender da confiança do treinador, o Juventus tem totais condições de deixar a lanterna do Grupo 8 e passar a sonha com a classificação ao mata-mata da Série D.

“A vida de treinador é feita de desafios e estou preparado para esse novo no Juventus. Faltam nove jogos, são 27 pontos, e vamos em busca do maior número de pontos possível. A competição está aberta e a classificação é muito possível”, finalizou.