A diretoria do Grêmio Esportivo Juventus, encabeçada pelo presidente Sergio Luiz Meldola, vem apresentando cada vez mais novidades para estruturação das categorias de base do clube. Depois de contratar uma psicóloga e analista de desempenho, por exemplo, o Moleque Travesso confirmou na manhã de ontem, a chegada de três equatorianos que passam a integrar a equipe Sub-17 por meio de um projeto de intercâmbio com o país sul-americano. A negociação iniciada no ano passado pelo então diretor-executivo Tiago Borges – que deixou o clube na semana passada por motivos pessoais -, foi finalizada apenas nesta segunda-feira (19) e trouxe os atletas David Espinosa, Daniel Ferro e Andres Espinosa, todos com 16 anos de idade. Mesmo tratando-se de um intercâmbio, com período de testes previstos por até uma temporada, o trio que já realizou o primeiro treino com os demais companheiros, quer se firmar no clube para subir ao elenco profissional.
“É uma oportunidade muito boa para nós e podemos melhorar muito aqui. O nosso foco é entrar para o time principal, mas sabemos que o trabalho terá que ser muito forte para alcançar isso. Temos que ter atitude e tentar melhorar a cada dia”, destaca o zagueiro David Espinosa, único dos três a falar a língua portuguesa.
Aliás, o idioma pode ser uma das dificuldades para adaptação dos outros dois jovens jogadores em Jaraguá do Sul, conforme ressaltou o preparador físico da tradicional LDU, de Quito, e um dos responsáveis pelas tratativas, Vicente Daniel Ordoñez Jimenez. Porém, a motivação em obter sucesso no Juve é ainda maior para os meninos. “Os atletas estão contentes com o clube, diretores e treinadores. Esperamos trazer mais meninos do Equador para fazer esse intercâmbio. A adaptação talvez seja um pouco difícil, mas nossa intenção é que eles consigam ir para o grupo principal. Os três tem qualidade, são inteligentes para jogar, e esperamos que evoluam ainda mais no Juventus. Se os técnicos derem oportunidades, eles estarão preparados”, disse Jimenez.

Troca de experiências

Além da chance de serem promovidos de categoria, a estadia dos equatorianos no Estádio João Marcatto visa o aperfeiçoamento tático e técnico de cada um, para que se não houver oportunidades por aqui, eles possam retornar para o país de origem rumo à profissionalização no esporte. Há possibilidade ainda dos papeis se inverterem futuramente, com alguns jovens da base juventina passarem por uma experiência no Equador. “Temos sim essa ideia de levar nossos jogadores para o mesmo intercâmbio. E se esses atletas equatorianos forem bem vistos pela nossa comissão técnica poderemos usá-los no Estadual. Então é um projeto que pode render frutos”, declarou Cleber Hernacki, gerente de futebol do Juventus.