O Figueirense ingressou nesta quinta-feira (11) com o pedido de recuperação judicial na vara especializada da Comarca da Capital. Num documento de 35 páginas, os advogados pedem, entre outros pontos, a suspensão da exigibilidade de "todos e quaisquer créditos trabalhistas e quirografários".

No pedido assinado pelos advogados Luiz Roberto Ayub, Pedro F. Teixeira, Filipe Guimarães, Pablo Cerdeira e Ana Paula Barbato, o clube reconhece uma dívida de R4 165 milhões, sendo R$ 100 milhões em causas trabalhistas.

Além do levantamento de "todos e quaisquer ativos do Clube que tenham sido objeto de bloqueios ou arrestos, assim como os dados em caução ou depósito, nos processos em que se discutem os créditos trabalhistas e quirografários que serão restruturados no âmbito do processo".