Quando Taila Jaine dos Santos pisar novamente no octógono no mês de agosto, provavelmente um filme irá passar em sua cabeça. Protagonista de uma história de muita dedicação, a jaraguaense precisou enfrentar inúmeros obstáculos para alcançar o ápice da carreira de qualquer lutador de MMA: chegar ao UFC.

Após sete anos ligados ao esporte, a atleta de 24 anos assinou contrato com o maior campeonato de lutas do mundo e estreará na edição Contender do Ultimate, entre os dias 9 e 10 de agosto, em Las Vegas-EUA.

Esta edição, chamada de Dana White’s Tuesday Night Contender Series, é uma série de lutas do UFC, televisionada, com lutadores veteranos ou em ascensão no MMA. Apesar do contrato já fechado com o UFC, Taila busca um grande desempenho em território americano para agradar os organizadores e garantir um vínculo maior com a entidade.

Primeira representante de Jaraguá do Sul a atingir tamanho feito, Taila teve um caminho longo, árduo e cheio de histórias para enfim realizar o grande sonho de sua vida no MMA. A trajetória no esporte começou cedo, mas longe das artes marciais, quando ainda no ensinamento fundamental jogava futebol e depois atletismo.

Mas a relação com a luta parecia uma questão de tempo. E foi mesmo. Filha do também lutador Gilson Caetano, proprietário da extinta academia Show Thai, ela começou a treinar com 18 anos, por incentivo do próprio pai.

Aos poucos, o esporte passou a se tornar uma paixão e com um talento nato que nem ela imaginava ter, outras modalidades surgiram em sua rotina em um curto período, como o jiu-jitsu.

Taila, ao lado do pai Gilson, grande incentivador da atleta no esporte I Foto: Eduardo Montecino/OCP News

A migração para o MMA seria algo natural e o potencial da filha chamou a atenção de Gilson, que logo a levou para o primeiro combate, em Curitiba.

“Comecei dando treinos básicos a ela, que entrou como quem não queria nada. Foi treinando, treinando, começou a ver eventos que a nossa academia participava e um dia resolveu participar também. Enfrentou uma menina muito dura logo na sua primeira luta, mas venceu. Ali eu vi que era coisa do sangue”, lembra Gilson.

A partir daí, o pai começou a lapidar sua joia até conhecer um dos professores mais conceituados do país: Marcelo Brigadeiro. Dono da academia Astra Fight Team, em Balneário Camboriú, o profissional a convidou para fazer parte da equipe em 2012. E a decisão de se mudar para o litoral foi crucial para o sucesso no octógono.

Com treinos de segunda a sábado, em dois períodos, chegando até três em dois dias da semana, Taila se descobriu ainda mais no MMA, construindo um cartel invejável desde então. Somente como profissional, foram 14 lutas e 14 vitórias, com um cinturão conquistado no Aspera FC.

Lutadora com o cinturão do Aspera FC I Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Isso tudo sem contar os triunfos em outras modalidades, nas quais também faturou um cinturão nacional de boxe e dois paranaenses de muay thai. “Tenho profissionais excelentes ao meu lado e evoluo a cada dia com eles. Se cheguei onde cheguei, devo muito aos meus pais e minha equipe”, disse.

CONVITE DO UFC

O sucesso no octógono levou o nome de Taila até os organizadores do UFC, que a chamaram para participar do evento no ano passado. Porém, o convite surgiu em um momento inesperado para a atleta, que foi surpreendida pela sua primeira gravidez.

A partir daí, se iniciou uma nova luta. Sem poder treinar por um ano, ela aguardava a chegada da filha e seguia torcendo pelo interesse dos organizadores em mantê-la no evento.

Jaraguaense vem se preparando intensamente para o UFC I Foto: Eduardo Montecino/OCP News

E foi justamente o que aconteceu. Após o nascimento da filha Glória dos Santos Barbosa em outubro de 2017, Taila antecipou o período de amamentação para voltar a treinar e receber o convite definitivo do UFC.

“Quando estava em gestação, o Brigadeiro me mandava mensagens falando que eles (organizadores do UFC) estavam pedindo meu nome. Mas consegui voltar e me recuperar rapidamente”, contou Taila, que se diz preparada para o maior desafio da sua carreira. “Não foi cedo para mim. Venho de uma caminhada longa, treinando, esperando e sonhando com isso. Fico muito feliz em conseguir”, completou.

O combate da jaraguaense será no peso Mosca (até 57kg) contra a também brasileira Estefani Almeida, de Manaus. “O nível do UFC é outro, altíssimo, então tenha que chegar preparada para bater de frente com a minha adversária. Vai ser um combate muito bom e respeito minha adversária. Estou estudando o jogo dela para fazer uma boa luta. Espero desempenhar o melhor para poder vencer”, destacou.

APOIO FAMILIAR

Para chegar ao seu auge, Taila Santos sempre contou com o apoio dos familiares para seguir o seu sonho. No início, o incentivo do pai Gilson que está envolvido no esporte há 26 anos foi fundamental para a filha não desistir e encarar todas as dificuldades de frente.

“Enfrentamos muitas dificuldades no começo e hoje ela está muito bem encaminhada. Sempre sonhei que minha filha atingiria algo maior do que eu consegui. Por isso, apostei na carreira dela, mas não esperava que em tão pouco tempo ela conseguisse chegar num evento de tamanha magnitude como o UFC”, disse.

Marido e triatleta profissional Pedro Barbosa Farias (E) e filha Glória dos Santos Barbosa, de apenas 9 meses, servem de inspiração para lutadora a fazer bonito no octógono I Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Mais recentemente, o marido Pedro Barbosa Farias acompanha a lutadora de perto. Os dois se conheceram há dois anos em uma academia, formaram uma família e vivem a rotina de atletas dentro de casa, já que ele é triatleta profissional. “Tenho a satisfação de poder viver isso hoje e ver o exemplo de atleta que a Taila se tornou. Procuro deixar ela tranquila, mas temos o mesmo sonho de ela conquistar o cinturão do UFC um dia para o mundo todo saber que ela saiu de Jaraguá”, afirmou Pedro.

NOVOS SONHOS E BUSCA POR APOIO

O contrato de Taila com o UFC é válido para essa luta contra a manauense Estefani, mas a tendência é que a jaraguaense estenda o vínculo com a organização por mais três lutas, assim que chegar nos Estados Unidos para dar mais um passo em suas metas dentro do Ultimate.

“Meu sonho é chegar lá (UFC) e me manter invicta. Também quero permanecer no UFC, porque é difícil chegar, mas se manter é mais ainda. Quero buscar o cinturão na minha categoria, depois baixar o peso e pegar o cinturão do 52kg”, destacou Taila.

Apesar do grande destaque no MMA, a lutadora ainda sofre com a falta de apoio. Hoje, o único suporte recebido vem da Academia Astra Fight Team e ela ainda busca patrocínio financeiro, para suplementos, produtos naturais e outros itens necessários para sequência de sua carreira na modalidade.

Os interessados podem entrar em contato com o empresário da atleta, Daniel Marangoni, pelo telefone (47) 99760-5000 ou e-mail daniel_marangoni@hotmail.com.

Taila Santos busca apoiadores para ter cada vez mais sucesso na carreira I Foto: Eduardo Montecino/OCP News