Parecia a Alemanha. Se o Mineirão já havia visto o 7 a 1 em 2014, o Cruzeiro tratou de fazer igual. Pela Libertadores, o time mineiro passou por cima do Universidad do Chile que, sequer fez o golzinho de honra. O 7 a 0 histórico da noite de quinta-feira (26) dá um pouco mais de tranquilidade ao Cruzeiro que assume a vice-liderança do grupo 5 com os mesmos 5 pontos do adversário chileno, mas a goleada garantiu um bom saldo de gols, critério de desempate.

O Cruzeiro não perdeu tempo e deixou a vida mais fácil já no primeiro tempo. Com gols de Thiago Neves, Rafinha e Sassá, a equipe mandante foi para o intervalo com larga vantagem no placar. E, se a vida estava fácil para os cruzeirenses, para os chilenos o que parecia ruim ficou pior pouco antes do intervalo quando, aos 45 minutos, Vilches cometeu falta dura em Arrascaeta, tomou o segundo cartão amarelo e foi expulso.

Na volta do intervalo, o time chileno se complicou ainda mais. Logo aos três minutos Echeverría derrubou Arrascaeta, recebeu o segundo amarelo e também foi expulso, deixando a La U com dois jogadores a menos.

Daí em diante, o Cruzeiro aproveitou a vantagem numérica. A vitória se transformou em goleada e em goleada histórica. Arrascaeta, Sassá, Thiago Neves e Rafael Sobis sacramentaram a noite de sonho dos torcedores cruzeirenses.

O Cruzeiro volta à campo pelo campeonato continental na próxima quarta-feira (2), quando viaja ao Rio de Janeiro para enfrentar o Vasco, que hoje segura a lanterna do grupo com apenas dois pontos.