É consenso que disputar uma maratona, que consiste em pouco mais de 42km, é para poucos e exige muita preparação e dedicação.

Imagine então disputar uma prova de 250km. Adicione a isso o fato de ser um percurso com muitas subidas e tradicionalmente feito apenas de bicicleta.

Para muitos, pode até ser considerado impossível, mas não para o ultramaratonista Adriano Scheuer.

Integrante da equipe Life Well, o jaraguaense completou esse trajeto em apenas cinco dias, tornando-se o primeiro atleta a desafiar e fechar o Circuito das Araucárias correndo e totalmente autônomo.

Foto: Arquivo Pessoal

Para quem não conhece, o circuito é muito conhecido para os aventureiros de bike, que geralmente o dividem de seis a oito dias, passando por quatro cidades do Planalto Norte Catarinense: Campo Alegre, Corupá, Rio Negrinho e São Bento do Sul.

Mas Scheuer, de 37 anos, foi além e cumpriu o próprio desafio, o Araucária’s Run, de forma solitária, mesmo com tantas dificuldades.

Sem ajuda externa ou apoio, ele carregava uma mochila com aproximadamente 8kg, que continha toda sua roupa - seca e molhada -, alimentação, hidratação, kit de primeiros socorros e demais acessórios necessários para o desafio.

Porém, esses não foram os únicos obstáculos pelo caminho. Por conta da pandemia, alguns pontos de carimbo estavam fechados ou não recebiam hospedes para pernoite.

Esses carimbos são um diferencial, já que são locais específicos durante o percurso para carimbar seu passaporte do circuito e solicitar o certificado de conclusão posteriormente.

Foto: Arquivo Pessoal

Mesmo com tantas dificuldades, o jaraguaense atingiu suas expectativas e cumpriu o objetivo de terminar a prova de 250km em cinco dias.

“Esse projeto foi até hoje meu maior desafio pessoal se tratando de corrida, pela distância total e dificuldades em realizar sozinho. Eu não tinha certeza se estava pronto para começar algo tão grandioso ou preparado o suficiente, mas no fundo, eu sabia que nunca estaria pronto para esse desafio antes de começá-lo. O importante é você ir se preparando constantemente e se ajustar ao longo do caminho. O melhor dia para iniciar seu desafio é hoje”, destacou.

Percurso detalhado

Dia 1

De Corupá até Campo Alegre: saída do ponto zero do desafio, em frente à Igreja Matriz e ao lado da Praça Arthur Müller, em Corupá, passando pelo Parque das Aves e subindo a serra via Ano Bom, pela localidade de Rio Vermelho até a chegada no Hotel Campo Alegre.

  • Distância: 45km – Ganho de Elevação: 1.400m

Dia 2

Campo Alegre até São Bento do Sul: saída do hotel Campo Alegre, passando pela Pousada Casa Antiga para receber o carimbo no passaporte e seguir rumo a pernoite na Pousada Ponte de Pedra, em São Bento do Sul. Ponto alto do trajeto foi a Cachoeira Salto do Engenho.

  • Distância: 57km – Ganho de Elevação: 1.300m

Dia 3

São Bento do Sul até Rio Negrinho: dia mais curto e plano do desafio, com saída da Pousada Ponte de Pedra e chegada na Pousada João de Barro, em Rio Negrinho.

  • Distância: 36km – Ganho de Elevação: 800m

Dia 4

Rio Negrinho voltando para São Bento do Sul: dia mais longo do desafio, com saída da Pousada João de Barro e chegada na praça central do Marco Zero do Circuito das Araucárias, em São Bento do Sul.

  • Distância: 60km – Ganho de Elevação: 1.300m

Dia 5

São Bento do Sul retornando a Corupá: último dia do desafio, com saída do Marco Zero do Circuito das Araucárias, descendo a serra, passando pela rota das cachoeiras e retornando ao ponto zero de origem, em Corupá, para fechar o circuito dentro do período de cinco dias inicialmente planejado.

  • Distância: 55km – Ganho de Elevação: 1.000m

História na corrida e próximos objetivos

Adriano Scheuer começou a correr em 2015 para buscar uma melhor qualidade de vida, além de conciliar a prática de algum esporte que havia parado devido a contusões e dores.

O início foi com desafios curtos, mas a evolução foi gradativa até se tornar um ultramaratonista num período de três anos.

Hoje, já são diversas provas no currículo, com destaque para essa do Circuito das Araucárias, a mais longa e desafiadora até então.

Mas os objetivos não param por aí. O jaraguaense planeja para 2022 fazer o Desafio UTMB, que percorre 170km das trilhas do Mont Blanc entre França, Suíça e Itália, onde a grande dificuldade é a altimetria acumulada por se tratar de uma trilha em meio a montanhas.

No futuro, ele ainda tem o sonho de encarar uma escalada ao cume das Américas, o monte Aconcágua, que fica na Argentina.