Uma raquete e uma bolinha. Não é preciso nada além disso para garantir a alegria de muitos jovens e adultos. Karue Sell está entre eles. É numa quadra de saibro, grama ou rápida, acompanhado de sua raquete e correndo para todo lado, que o tenista jaraguaense se realiza.

E é com essa paixão pelo esporte iniciada com apenas quatro anos de idade, que o atleta hoje com 24 anos, busca sua afirmação no disputado ranking da Associação de Tenistas Profissionais (ATP).

Após figurar em 33º lugar no ranking mundial juvenil, ele fixou moradia nos Estados Unidos há seis anos, onde incorporou um estilo de vida pouco comum ou quase raro no Brasil: conciliar o esporte com a faculdade. Foi então, que a carreira de Karue começou a tomar um rumo inimaginável.

Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Em 2016, ele se formou em Economia e Desenvolvimento Geográfico pela UCLA (University of California Los Angeles), a melhor Universidade pública do mundo, e além de adquirir conhecimento, tornou-se um dos grandes nomes do tênis universitário, com inúmeras conquistas em quadra.

Depois da graduação, ele passou a dar aulas em uma faculdade de Malibu, além de ser parceiro de treino de jogadores profissionais, conhecendo lendas do esporte, como Pete Sampras, Andy Roddick, Novak Djkovic, Tommy Haas, Maria Sharapova, Serena Willians, entre outros. Mas a saudade de competir o fez retornar rapidamente aos torneios oficiais.

Com a volta à rotina de atleta profissional no início de 2017, com treinamentos técnicos e físicos, de cinco a seis vezes por semana, Karue teve uma ascensão meteórica no circuito. Em um ano, ele saltou do 1.243º lugar para a 375ª colocação no ranking da ATP, conquistando seus primeiros títulos profissionais.

Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Foram três no total: em Claremont, no mês de setembro de 2017; em Los Angeles, janeiro deste ano; além do Future de Little Rock, no Arkansas, em abril de 2018. Porém, logo no seu melhor momento na carreira, o jaraguaense ficará de fora das quadras por quatro a seis semanas, devido a um edema ósseo na mão direita.

Com o retorno previsto para o mês de novembro, ele aproveitou as férias forçadas para vir a Jaraguá do Sul, rever a família e recuperar as energias para voltar ainda mais forte ao circuito.

“(A lesão) Vai atrapalhar um pouco. Tenho alguns pontos para defender e talvez eu caia um pouco no ranking. Mas não adianta forçar agora. Vou trabalhar para estar bem e jogar em novembro. Quero estar sem problemas para 2019 e não ter nenhum contratempo”, disse o atleta, que hoje aparece em 410º no ranking da ATP.

Espelho aos mais novos

Mesmo em um dos principais centros do tênis mundial, Karue Sell não esquece suas raízes. Antes de iniciar os treinos no Itamirim Clube de Campo, em Itajaí, onde ficou dos 11 aos 18 anos, ele deu suas primeiras raquetadas no Clube Atlético Baependi, com o pai Hilton Sell e o professor Marcílio Silva.

Com o talento apresentado desde pequeno, o jaraguaense galgou seu espaço e deixou de ser uma promessa para começar a ganhar destaque nas quadras, se tornando um exemplo para seus conterrâneos.

“Acho bem legal poder pelo menos ser um exemplo para outros tenistas jaraguaenses. Não sei o quão longe vou chegar, mas minha história começou aqui e sempre vai ser parte de mim”, disse.

Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Ele ainda deixou uma dica para os tenistas que sonham em chegar ao circuito profissional.

“Minha dica sempre vai ser ir para o tênis universitário. Para a grande maioria dos jogadores é uma chance de ter uma bolsa integral para estudar, jogar quatro anos em quadras rápidas para desenvolver o tênis e ter uma garantia. Se o tênis não der certo, você tem outras opções depois”, declarou.

Sonhos

O objetivo de ficar entre os 400 melhores jogadores do mundo foi alcançado, mas não está nem perto das principais metas de Karue no esporte. Assim que se recuperar da lesão, o tenista dará sequência a ambição de entrar no Top 100 em um período de dois anos.

“Eu quero disputar grandslams, torneios grandes e jogar contra os melhores do mundo. Estando no Top 100 você se garante nos maiores torneios, o que te coloca na posição de subir mais e mais no ranking. Quero me dar essa chance e aproveitar o circuito” projetou o jaraguaense, que ainda pretende representar o Brasil em uma Copa Davis. “Eu gosto muito de eventos por equipe e seria muito legal participar num evento assim”, completou.

Busca por apoio

Com os próximos dois anos vistos como cruciais para sua carreira, Karue busca patrocinadores que possam ajudá-lo nas despesas de viagem e estrutura de equipe.

Atualmente, ele conta com o apoio de um material esportivo de Los Angeles, a Uomo Sport, e de raquetes, a Head, além de um valor financeiro vindo da CBT (Confederação Brasileira de Tênis), mas muito aquém do necessário para alcançar seus objetivos.

Foto: Eduardo Montecino/OCP News

Para isso, o jaraguaense precisaria de US$ 25 mil a US$ 35 mil, que seria gasto com treinador de quadra e físico, fisioterapeuta e passagens de avião e hotel para jogar os torneios.

“Parece bastante dinheiro, mas é praticamente o mínimo para poder ter a estrutura necessária. No tênis, não há garantias mas eu quero saber que eu fiz o meu melhor. Tendo um apoio financeiro maior, me ajudaria a fazer um calendário ótimo para 2019 e eu poderia ter um treinador, algo que hoje eu não tenho”, finalizou.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?