Além dos atletas, Santa Catarina será representada também por árbitros nas Olimpíadas de Tóquio. Luli Pereira, de Balneário Cambóriu, vai ser juiz nas categorias de surfe, masculina e feminina.

Ex-surfista profissional, desde 2004 Luli é julgador e há 12 anos é juiz em tempo integral da Liga Mundial de Surfe (WSL, na sigla em inglês). Na última temporada, ele foi chefe dos juízes na liga feminina.

Foto: Reprodução/Luli Pereira.

No surfe, sete árbitros são responsáveis por darem notas às manobras, orientados por critérios do chefe (head judge). A experiência contou na escolha de Pereira para ser selecionado.

"A transmissão ao vivo vai ser muito importante para educar as pessoas, principalmente quem nunca teve contato com uma competição de surfe. Eles vão ter que descrever as manobras, ensinar como é a avaliação. Sendo um esporte subjetivo, claro que é passível de interpretações", prevê Luli.

Mesmo que o julgamento esteja imerso nessas subjetividades, os juízes possuem olhos treinados para observar todos os detalhes, que podem custar a medalha de ouro dos atletas. Inclusive, eles podem rever as ondas em vídeo, quantas vezes acharem necessário.

Luli Pereira embarca ao Japão no fim deste mês. As provas de surfe acontecem entre os dias 25 e 28 de julho, em Tsurigasaki, a 60 quilômetros da capital japonesa. Gabriel Medina e Italo Ferreira representam o Brasil na categoria masculina e Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima na categoria feminina.