Restando menos de um mês para o maior desafio de sua carreira no MMA, Taila Santos concedeu uma entrevista virtual para divulgar o UFC 275, em que vai enfrentar Valentina Shevchenko no dia 11 de junho, em Singapura, pela disputa do cinturão do peso-mosca.

A catarinense de Jaraguá do Sul não escondeu o jogo e revelou o plano para voltar para casa com o título. Mesmo formada no muay thai e com 10 nocautes na carreira, a lutadora de 28 anos pretende levar a luta para o chão.

“A Valentina é uma atleta dura na trocação, venceu várias oponentes duras, é uma atleta inteligente, mas creio que vou ter sucesso buscando a luta de solo, onde me sinto super bem. Venho de uma escola de muay thai, me sinto super bem na trocação, mas eu vejo os pontos fracos dela no solo, e creio que nessa área vou ter sucesso na luta”, disse.

Taila tem motivos para tal preocupação, afinal, Shevchenko é tricampeã mundial de muay thai e vem dominando as adversárias na luta em pé.

Foto: Divulgação/UFC

Porém, na mesma entrevista, a atleta do Quirguistão que ainda não perdeu na categoria e vem de oito triunfos seguidos, com seis defesas de cinturão, também enalteceu suas qualidades no solo e lembrou das sete vitórias por finalização.

“É a mesma resposta para minhas outras adversárias. Algumas acham que têm melhor striking, outras acham que têm melhor wrestling. Mas o octógono mostra a elas que estão erradas. E esta é a parte mais empolgante dessas lutas: ver a frustração na cara dos outros, quando entendem que não são melhores. Mas ótimo, não tenho problemas de lutar no chão, em pé, no wrestling. Para ser campeã do UFC, requere muitas habilidades, não se pode ser uma lutadora unilateral. Não sei se é a tática dela, se ela realmente está pensando nisso, mas veremos”, rebateu.

Confiança na vitória

Com 19 vitórias em 20 lutas no MMA profissional, Taila Santos vai para o maior desafio de sua carreira vivendo grande momento.

Depois de sofrer a única derrota do card na estreia do UFC para a italiana Mara Romero Borella em 2019, Taila conquistou o direito de disputar o título dos moscas ao engatar quatro vitórias convincentes, que a colocaram no quinto lugar da categoria.

Nesse período, bateu a inglesa Molly McCann, a canadense Gillian Robertson, a norte-americana Roxanne Modafferi, e, por último, a escocesa Joanne Wood, com uma expressiva finalização no primeiro round, no dia 20 de novembro do ano passado.

Taila Santos finalizou a escocesa com um mata-leão | Foto: Getty Images

Consolidada como uma das grandes apostas da divisão, a jaraguaense agora tenta derrubar a hegemonia de Shevchenko, uma das principais lutadoras do planeta na atualidade.

“Vendo aquela derrota da Amanda contra a Peña, vejo que isso é bem possível. Os dois atletas têm 100% de chances quando sobem lá em cima, enquanto não acabar a luta os dois têm 100%. É igual videogame, os dois entram com a barrinha cheia e vai acabando a vida. Eu creio que isso é possível sim, e vai vencer quem estiver melhor, focado com seu treinamento, com seu espiritual, com seu físico. Vai vencer quem estiver melhor preparado”, afirmou.

Para chegar a tal feito, a atleta da Thai Brasil Floripa não liga para os comentários sobre o favoritismo da adversária e foca em sua preparação para conquistar o cinturão em Singapura.

“Sou focada no que faço, no meu trabalho, sempre buscando elevar minha mente e meu espírito. Esses comentários não me afetam. Sou uma menina tranquila, calma, sempre focada no meu objetivo. Eu me fecho para isso e não tenho nenhum problema com isso. Eu não preciso que ninguém acredite em mim, porque a primeira pessoa que precisa acreditar sou eu. Se eu acredito que eu vou destronar ela, se eu acredito no meu potencial, isso que importa. Se fui chamada para estar lá, eu tenho chances”, finalizou.